Cidadania Destaques

Prefeitura de Passos promove ações do Julho Amarelo

17 de julho de 2020

Atualmente, o município assiste 2 pacientes que estão em tratamento e, outros em acompanhamento. / Foto: Divulgação

PASSOS – No mês em que é celebrada a luta contra as hepatites virais, por meio da campanha Julho Amarelo, a Prefeitura de Passos destaca as ações que vem desenvolvendo no município. Como pode ser causada tanto pelo vírus, quanto pelo uso de medicamentos, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas, a Secretaria de Saúde desenvolveu uma parceria entre o Ambulatório Escola (Ambes) e o Consultório na Rua para assistir às pessoas em situação de rua contaminadas pela hepatite.

Uma vez que a unidade móvel presta assistência primária a estas pessoas por meio de uma equipe multidisciplinar, incluindo assistentes sociais, enfermeiros e agentes de ação social, e o Ambes que é referência regional na prevenção e no tratamento de hepatites virais.

Conforme explicou a doutora Rosana Porto, médica infectologista do Ambes e atuante no programa de hepatites virais do ambulatório escola desde 2002, o tratamento médico durava muitas vezes um ano ou até mais, e a adesão não era conforme a desejada. Agora, os tratamentos melhoraram significativamente e, consequentemente, a qualidade dos remédios também, reduzindo os efeitos colaterais e fazendo com que o paciente consiga ser tratado em 12 semanas com resultados satisfatórios.

Estamos muito felizes com o sucesso dessa parceria, pois os pacientes estão recebendo as medicações de forma adequada e estão sendo acolhidos. Uma vez que, para efetivar a medicação é necessário que o assistido não faça uso de drogas, permaneça em abrigos, com alimentações em horários adequados, para que possam passar pelo tratamento com tranquilidade”, esclareceu a médica.

Atualmente, o município assiste dois pacientes que estão em tratamento e, outros em acompanhamento. Para o recurso terapêutico, é necessário que o paciente tenha interesse em realizar o tratamento e, para isso, abandone o uso de substâncias psicoativas.

Referência técnica das hepatites virais, Mayra Andrade Cardoso Martins, é enfermeira do Ambes e também comentou sobre o tratamento das pessoas em situação de rua que são diagnosticadas com hepatites virais. O paciente é direcionado ao setor de hepatite viral do ambulatório que realiza a avaliação e acolhimento necessários.

O fato da pessoa estar em situação de rua não impossibilita o tratamento, desde que, o paciente não faça o uso de drogas e bebidas alcoólicas e esteja em situação de acolhimento. E para isso, a parceria com o Consultório na Rua é de extrema importância, pois é trabalhada a questão da abstinência e avaliação mensal das condições clínicas para que, assim, o tratamento seja liberado’’, comentou Mayra.

A enfermeira ainda informou que é realizada pelo Ambes a coleta de exames PCR para que seja feito o processo de aquisição dos remédios que, por serem de alto custo, são encaminhados para a Secretaria de Estado de Saúde.