Destaques Política

Prefeito devolve R$ 314 mil que seriam aplicados em torneio de vôlei em Passos

Ézio Santos/ Especial

30 de junho de 2021

PREFEITURA DE PASSOS RESCINDE CONVÊNIO DO PROJETO ‘vÔLEI NA PRAÇA’ E DEVOLVE VALOR DE r$ 314 MIL

PASSOS – Na sessão do Poder Legislativo da última segunda-feira, a vereadora Aline Gomes Macedo denunciou que a administração municipal de Passos rescindiu o convênio com o Ministério da Cidadania que repassou ao município em 2020 no valor de R$ 314.525 para o projeto esportivo ‘Vôlei na Praça’, idealizado pela Federação Mineira da modalidade e apoio do Clube Passense de Natação (CPN). O documento, encaminhado ao Secretário Especial de Esporte, Marcelo Reis Magalhães, e que oficializou a devolução do dinheiro, foi assinado pelo prefeito Diego Rodrigo de Oliveira no dia 12 de maio deste ano.

As justificativas apontadas pelo gestor político: “a atual conjuntura do município no tocante à pandemia e a necessidade de priorização de outros projetos de maior carência para a reestruturação da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Juventude”. Consta no extrato do convênio assinado pelo então prefeito Carlos Renato Lima Reis, em 31 de dezembro de 2020, e com vigência até a mesma data deste ano, que o valor da contrapartida da Prefeitura era de apenas R$ 3.144,25, elevando o total de gasto no evento para R$ 317.669,25.

“Achei extremamente um absurdo o que Diego fez. A prefeitura e o CPN entrariam apenas com a estrutura física, ou seja, ginásios, alojamento, locais para preparo e servir as refeições. O potencial dos atletas de Passos em todas as modalidades é elevadíssimo, mas é preciso dar condições igualmente a todos. Já passou da hora da secretaria crescer em todos os sentidos e sem as desculpas de pandemia. Devolver quase R$ 315 mil reais ao governo federal e deixar de promover um evento que iria levar e elevar o nome de Passos para todo o Estado, é inacreditável”, disse a vereadora.

Aline revelou que recebeu uma carta dos servidores que colaboraram na conquista do recurso, trabalham como treinadores e professores de educação física, além de instrutores das aulas de iniciação esportiva, as denominadas escolinhas, lamentando a atitude do prefeito.

“É sabido por todos que não é a primeira verba federal que é devolvida pela administração, dentro da Secretaria de Esportes, que não tem material de vôlei, para as escolinhas e o vôlei adaptado da terceira idade. Tanto é que vivemos de doações dos materiais esportivos pela comunidade, comerciantes e empresários”, escreveram.

Na carta, ainda disseram que com o dinheiro do ‘Vôlei na Praça’, dava para comprar várias bolas, cones, rede, postes e outros materiais, de uso no evento, que abasteceriam e manteriam tanto as escolinhas do município, quanto o vôlei adaptado da terceira idade, além de fomentar o esporte e promover parcerias que renderiam muitos frutos junto as federações.

“A entidade já promoveu, ao longo da administração passada, quatro campeonatos estaduais em Passos, através da lei de incentivo ao esporte, que movimentaram hotéis, restaurantes e outras atividades comerciais, tendo em vista que muitos pais vinham prestigiar seus filhos e já faziam compras na cidade. São campeonatos e eventos que ajudam os cofres do município, aumentando a participação no ICMS esportivo mineiro”, relataram os servidores.

“Em 2019 foram mais de 20 etapas da fase regional e microrregional de torneios estaduais, com participações de equipes de Belo Horizonte e dezenas de outras cidades da região e Estado. Passos foi escolhida a dedo porque tem potencial para sediar campeonatos até a âmbito nacional no vôlei”, completaram.