Destaques Do Leitor

Preços

10 de setembro de 2020

Dizer que o alto preço do dólar justifica o aumento dos preços internos dos produtos da cesta básica, é o que existe mais abominável na atitude daqueles empresários que distribuem estes produtos. Em qualquer país sério antes de promover exportação são definidas as necessidades internas da população, principalmente de produtos básicos, para que não haja dificuldades na sua obtenção. Assim, percebe-se claramente a cobiça daqueles que se beneficiam com o dólar alto, que é ganhar, ganhar e ganhar, não se importando se estamos em uma pandemia e, se vai faltar alimentos essenciais na mesa da população.

Pedro Dias – Campinas/SP

Setembro simplesmente

Até que enfim chegou o mês das flores, e já apareceu mais bonito que os meses anteriores. Nada contra agosto, julho, junho ou maio. Mas, Setembro é diferente, cheiro gostoso no ar; é colorido e até mais longo, porque não desejo que acabe. Venha, Setembro, traga esperança e vida à vida, o esperamos e o recebemos, mês da primavera! Setembro é o mês da pura alegria. As flores invadem os jardins e as praças. Elas renascem e tudo fica mais colorido. Neste mês, as boas sensações prevalecem e novas inspirações surgem. Setembro significa que cinza dos meses anteriores já não exercem tanta força sobre nós, pois é época de “renovo” espiritual e mental.

É o momento em que devemos sair da toca (não precisa sair de casa), e nos apresentar para novas oportunidades da vida. O tempo do frio e ventania acabou. O sol está nos esperando! Você não vai perder, aproveitando o colorido deste mês, com toda a sua empolgação. Obrigado por tudo e até o ano que vem, quando voltar. Seja bem-vindo, Setembro! Traga-nos paz, aumente nossa fé, saúde e muita alegria, harmonia, esperança e crença em dias melhores. “Que Setembro nos abrace com o carinho das suas flores e a beleza de suas cores, mês lindo”! Época de observar a natureza. Encha tudo de alegria com novos acontecimentos. Setembro, venha leve como pluma e me faça forte para encarar os “contratempos” que esbarram no meu cotidiano. Eu senti o toque do mês da primavera, por isso escrevi sobre você, Setembro! Eu o esperei… Setembro, humilhe agosto.

Fernando de Miranda Jorge – Jacuí/MG