Destaques Geral

Preços de material de construção têm aumento superior a 100%

Por Beatriz Silva / Redação

22 de março de 2021

Aumentos acima de 100% em preços de material para construção têm feito subir os valores no mercado imobiliário em Passos. / Foto: Divulgação

PASSOS — Aumentos acima de 100% em preços de material para construção têm feito subir os valores no mercado imobiliário em Passos desde o início da pandemia de covid-19. Em insumos a base de aço, plástico e cerâmica os preços dobraram nos últimos meses enquanto que em materiais como areia tijolo e cimento as elevações foram menores.

O inspetor chefe do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) na cidade, Manoel Reginaldo Ferreira, afirma que o encarecimento nos itens para construção e a alta do dólar têm refletido em elevação nos preços de casas e apartamentos.

Se observarmos os preços antes e durante a pandemia, bem como a alta do dólar, podemos perceber que o aumento dos insumos tem provocado a elevação dos valores de empreendimentos imobiliários, sejam apartamentos, casas, etc. A tendência é que, se o dólar continuar alto, os preços dos imóveis aumentem mais ainda”, disse.

Dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon-Mg) indicam a maior alta no preço dos insumos para o setor em 27 anos. Conforme a entidade, nos últimos 12 meses, os preços de material de construção subiram 26,34%, de forma desagregada, alguns produtos registraram aumento superior a 90%.

De acordo com Ferreira, na última semana, o Governo Federal adotou medidas para conter o dólar que podem impactar a Taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e, consequentemente, o mercado da construção.

Em uma tentativa de conter a subida do dólar, a taxa Selic foi aumentada. Com a alternativa, temos um efeito positivo e um negativo: se por um lado ameniza a questão da inflação, por outro, sobe os juros que financiam o setor da construção civil”, disse.

Se um prédio foi lançado, e a empresa definiu um preço global e fechado, a mesma terá dificuldade em entregar o empreendimento pelo mesmo valor, pois não estava esperando a alta tão expressiva do dólar. Por consequência, ela terá que negociar com o cliente a readequação de preços”.

Dólar

O empresário Nilton Fagundes, da Estrela do Sudoeste, que atua no segmento de material para construção, afirma que alguns produtos tiveram aumentos superiores a 100% nos preços. Segundo ele, o setor também enfrenta demora de até 60 dias na entrega de mercadorias.

Observo um aumento mais significativo em itens de cerâmica, plástico ou a base de aço. Nesses casos, os preços mais que dobraram nos últimos meses. Também temos dificuldade em receber os produtos, que muitas vezes demoram mais de dois meses para chegar e rapidamente se esgotam, já que o mercado não para. Em relação a itens mais brutos da área de construção, tal como areia, tijolo e cimento, houve aumento, mas não tão drástico”, disse Fagundes.

Para ele, a alta do dólar é aponta como principal motivo para a subida dos preços na construção.

Quando questionamos o porquê da diferença de preços, recebemos como resposta que o maquinário utilizado para a produção dos itens é comprado em dólar, sendo assim, é necessário que os aumentos sejam repassados. Particularmente, também acredito que existe um pouco de exploração por parte do setor industrial, que aproveitou o momento para lucrar o que não vinha lucrando nos últimos anos”, disse.