Destaques Dia a Dia

Pouco dinheiro, Muita Diversão!

24 de junho de 2020

Foi necessário cancelar nossa tradicional Romaria que fazemos todo ano no mês de maio à Aparecida do Norte, desde 1979, ou seja, há 41 anos seguidamente, devido à essa pandemia.
Domingo passado, no nosso encontro de todos os domingos no “Recanto dos Amigos” de propriedade do meu irmão Joãozinho, num bate-papo desfrutando de um bom tira gosto e tomando uma “gelada” relembramos uma dessas nossas Romarias que fizemos à Aparecida do Norte no ano de 1982. Ao contratar o ônibus, tivemos a ideia de antes do nosso destino, dar uma rápida passada pelo Rio de Janeiro.

E numa viagem tranqüila, saímos de Passos ás 20 horas e chegamos ao Rio por volta das 4 horas da madruga. Sem destino certo para conhecer os pontos turísticos da Cidade Maravilhosa, paramos num posto na entrada para algumas informações. O responsável pelo posto, ao saber do que se tratava, nos indicou uma pessoa que estava ali sentado numa velha poltrona tirando um cochilo, dizendo: “Este é um dos melhores guias do Rio!” Com medo da malandragem e do perigo, nos reunimos, trocamos ideia e coube a mim me dirigir até ele. Falei daquela excursão, que todos os anos íamos à Aparecida e que queríamos conhecer alguns pontos turísticos do Rio. Combinamos cada um dar a ele dois Cruzeiros, e assim ele foi apresentado a todos.

Primeiro, nos levou ali perto até uma padaria, negociou para todos o preço de um pingado com um grande pedaço de bolo de amendoim servido num prato, e todos acharam barato! Junto a mim e outros colegas, ele traçou o itinerário. Ainda escuro, passamos pela ponte Rio Niterói, demos volta pela cidade de Niterói, e na volta tivemos uma das mais belas vistas, o nascer do sol deixando aquela ponte toda dourada! Paramos na estátua do Belline, e por sorte uma portaria estava aberta e com a boa conversa de nosso guia, o porteiro nos permitiu entrar no Maracanã! Com um forte sol saímos dali até a Praia Vermelha, com a estação do bondinho Pão de Açúcar ao lado da praia.

Alguns preferiram ficar aproveitando a praia, outros,como eu, orientados pelo guia, subimos no bondinho. Com a primeira parada no Morro da Urca, ao fazermos a troca do bondinho para a montanha maior, sô Tião Faria, com suas brincadeiras e falando sério, disse que ouviu falar que o cabo estava para ser arrebentado, amedrontando muitos turistas ali junto a nós! Na descida do ponto mais alto do Pão de Açúcar ainda tenho na mente a vista bonita de Copacabana, Ipanema, Leblon, Gávea e estátua do Cristo Redentor.

Lá pelas 10 horas estávamos no Corcovado para subir até ao Cristo. Com nosso guia dando as opções, alguns preferiram subir de taxi pela Estrada das Paineiras, e muitos como eu com meu filho Alex com seus nove anos de idade a tiracolo, preferiram fazer a viagem de trem, em meio à floresta (Parque Nacional da Tijuca). Descendo do Corcovado, entramos no ônibus, e fomos para o momento mais esperado do passeio: conhecer Copacabana! Paramos o ônibus numa travessa bem ao lado do Copacabana Palace, (hoje já não é mais permitido) e nós, já com roupas de praia, alguns pela primeira vez, fomos aproveitar aquela praia mais famosa do Brasil!

Às vezes, ao olhar a fotos que registraram aqueles momentos, quantas pessoas sorrindo, sentadas na areia, batendo papo já não estão mais conosco, são coisas do tempo e da vida.
Às 14 horas já tínhamos feito nosso rápido passeio pelos pontos turísticos conforme combinado com nosso guia que, à distância, com seu chapeuzinho branco, lendo um jornal, estava sempre de olho acompanhando toda nossa turma.

Num determinado momento nos mostrou a cantora Ângela Maria almoçando ao ar livre no restaurante do hotel Copacabana Palace, e vendo todos cheios de areia nos arrumou um local para um banho sem que pagássemos nada, e assim seguimos nossa viagem fazendo uma parada num bom restaurante já na saída para Aparecida do Norte. Almoçamos, e Altino despediu – se de um por um. Agradecemos a ele por esse belo passeio que fizemos com pouco dinheiro, e ele mais satisfeito ficou. Com o bolso cheio, além dos dois Cruzeiros de cada um de nós, vi que em todos os estabelecimentos que nos levou pegou sua porcentagem, porém fez seu trabalho muito bem e nos deu segurança e conforto nesse passeio inesquecível de poucas horas!

É o tempo passando e a gente “Memoriando”! Em tempo: caso você, leitor amigo, queira aproveitar esse período em casa para desfrutar de boas leituras, ainda tenho alguns exemplares de meus Livros para vender: Memoriando (5ª edição), Proseando e Férias na Roça. Contato pelo telefone (35) 3521 4325.