Destaques Geral

Pesca atrai turistas para a região

Nathália Araújo / Redação

20 de setembro de 2021

A região conta com diversas espécies de peixes nativos, os quais são atrações para os turistas

PASSOS – Atividades como passeios náuticos e o turismo em cachoeiras e mirantes estão entre as mais procuradas pelas pessoas que chegam ao sudoeste mineiro, no entanto, o que muitos ainda não sabem é que a pescaria também tem atraído visitantes. Banhada pelo Rio São Francisco e pela bacia do Rio Grande, a região conta com inúmeras espécies de peixes nativos.

Em Carmo do Rio Claro, Alexandre José de Carvalho já se familiarizou com os pescadores em sua pousada e até disponibilizou um profissional de sua equipe para cuidar dos peixes.

“Recebemos pessoas que procuram a atividade por esporte e que saem em embarcações para ver espécies como os tucunarés. Enquanto isso, outros optam pela pesca em tablado, à beira da represa, na tentativa de fisgarem as famosas tilápias. Quando os pescados chegam, realizamos a limpeza e os cortes de acordo com o desejo do hóspede, que pode manter o produto em nosso freezer durante toda a sua estadia ou até pedir para que o cozinheiro prepare uma receita”, diz o empresário.

Olavo José da Silveira Júnior é guia de turismo em São João Batista do Glória e afirma que a pesca tem se tornado um atrativo para os visitantes.

“Nos acostumamos com pessoas pedindo para conhecer os pontos tradicionais e as cachoeiras mas, acho que desde o fim do ano passado, a procura por lugares estratégicos para pescaria se tornou comum por aqui. Esses dias, um cliente do interior de São Paulo chegou com o filho de 9 anos e contou que o menino pediu a viagem de pescaria como presente de aniversário. Achei muito legal porque, hoje em dia, as crianças só querem saber de celular e computador”, contou.

Segundo Renata Freitas, gerente de um restaurante na região da Serra da Canastra em Delfinópolis, além da variedade em espécies, os turistas também se interessam pelos pratos produzidos a partir dos peixes da região. De acordo com ela, muitos clientes preferem as receitas típicas de Minas Gerais.

“Acredito que o calor tem influenciado muito e, realmente, a procura tem sido excelente, principalmente por grupos de famílias. Quando as pessoas chegam, logo querem experimentar os peixes e, honestamente, eu mesma aprecio muito a nossa culinária. A carne sempre é fresca e saborosa e o que contribui com isso é o ph da água e a limpeza feita aqui. Infelizmente, a seca atingiu muitas cidades próximas de uma maneira muito triste, mas não podemos deixar de agradecer pela riqueza natural que temos por aqui e, com fé, acredito que a represa ainda voltará ao normal”, diz Renata.

Crise hídrica

Conforme estudo divulgado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), o volume útil do Lago de Furnas pode chegar a 3% até o mês de novembro, sendo que o mais baixo já registrado foi de 6%. O documento indica que algumas das principais bacias hidrográficas, que integram o Sistema Interligado Nacional (SIN), têm se mostrado significativamente abaixo da média histórica, incluindo a bacia do Rio Grande.