Destaques Geral

Pastores querem prorrogação de prazo para realizar cultos

Por Ézio Santos / Especial

12 de junho de 2020

O DISTANCIAMENTO ENTRE FIÉIS NOS CULTOS É UMA DA MEDIDAS TOMADAS PARA SE EVITAR O CONTÁGIO DO VÍRUS. / Fotos: Divulgação

PASSOS – O prazo do decreto 1.657, assinado dia 4 de junho pelo prefeito Renatinho Ourives liberando, três dias depois, as atividades coletivas religiosas em Passos, expira neste domingo, dia 14. Até esta quarta-feira, 60% dos templos evangélicos no município reabriram suas portas para cultos e atendimentos individuais. Por outro lado, as igrejas católicas permanecem usando as redes sociais para transmissão de missas online. Uma vez por semana, os fiéis participam de cultos para apenas 30 pessoas e obedecem normas para evitar o contágio do novo coronavírus.

De acordo com o diretor Municipal de Saúde Coletiva, Thiago Salum, o decreto poderá ser renovado e publicado oficialmente na imprensa ou em redes sociais pelo prefeito, em qualquer dia.

Primeiro, temos que avaliar a situação da pandemia em Passos e na região em relação à quantidade de óbitos, casos confirmados, suspeitos etc. Tudo isso com participação dos responsáveis por vários setores da saúde no município em consonância com autoridades médicas especializadas”, explicou.

O presidente do Conselho de Ministros Evangélicos de Passos (Comep), Pierre Antônio Medeiros, pastor da Igreja Batista da Lagoinha em Passos, disse que, nos próximos dias, vai procurar o prefeito para a renovação do decreto.

Em razão do sucesso da reabertura dos templos, a prudência dos fiéis em relação aos cuidados para evitar o contágio e a organização dos cultos, não é bom interromper o encontro dos fiéis, seja qual for o local que eles frequentam”, sintetizou.

O membro da Igreja Universal do Reino de Deus e gestor de projetos do Instituto Social, Educacional e de Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Isepem), Rogério Santos, revelou que em Passos existem mais de 100 templos evangélicos, entre grande, médio e pequeno quanto a área construída. Pelo Projeto de Contingenciamento de Combate ao convid-19 foram relacionados vários itens para atender bem aos fiéis, porém alguns foram retirados pelos integrantes da Área Técnica de Saúde da prefeitura.

Em uma espécie de colisão evangélica, os pastores que formam o Comep da cidade pleitearam 50% da capacidade de indivíduos de cada templo durante os quatro cultos diários, mas o decreto prevê apenas 30 pessoas reunidas durante 50 minutos de oração duas vezes ao dia, entre 13 e 14 por semana, em um intervalo de três horas. Líderes religiosos evangélicos estão registrando tudo em fotos e vídeos para servir depois de avaliação em relação ao impacto na pandemia”, comentou Rogério.

Sobre o Plano de Contingenciamento elaborado em conjunto por 18 pastores e protocolado na prefeitura, o gestor revelou que, atualmente, apenas 40 líderes religiosos têm o documento em mãos.

Nós estamos tentando fazer com que cada um elabore o seu plano individualmente porque ele sabe da estrutura de seu templo. É partir para aquele ditado de que ‘cada caso é um caso”, finalizou.

Avaliação

Nem todos as sedes de orações evangélicas aderiram ao decreto municipal 1.657.

Nossa preocupação é com a vida das pessoas em geral, que está em jogo nestes tempos. Temos que analisar bem os resultados das pesquisas científicas relacionadas ao vírus. Por isso continuamos recolhidos em casa e contatando nos nossos fiéis através das redes sociais”, ressaltou o pastor Eli Fernandes da Segunda Igreja Presbiteriana.

Acredito ser importante essa reabertura gradativa e restritiva, atendando para todos os cuidados que o Ministério da Saúde nos impõe. Um templo fechado por tanto tempo não concordo. O nosso fica aberto todos os dias para atendimento individual respeitando as medidas contra o contágio. Gostaria até no caso da Igreja Internacional da Graça de Deus tivéssemos maior flexibilidade quanto aos cultos, porque a capacidade dela é para 500 pessoas juntas”, justificou o pastor Fábio Henrique Ribeiro.

Os atendimentos individuais e para dar oportunidade a quem deseja participar dos cultos, a maneira adotada pelos líderes religiosos é o agendamento. Para facilitar os contatos alguns pastores criaram até grupos no WhatsApp.