Destaques Geral

Passos terá 1.828 lotes com aprovação de empreendimentos

Por Adriana Dias / Redação

29 de dezembro de 2020

Foram aprovados seis dos 17 loteamentos que aguardavam autorização de abertura para comercialização em Passos. / Foto: Divulgação

PASSOS – No último ano da administração do prefeito Carlos Renato Lima Reis, o Renatinho Ourives, foram aprovados seis dos 17 loteamentos que aguardavam autorização de abertura para comercialização em Passos. No início do ano foi aprovado o Loteamento Jardim dos Lagos com 500 lotes, em agosto foi aprovado o Jardim Canadá 3, com 200 lotes. E, na última quarta-feira, 23, outros quatro loteamentos que somam 1.828 lotes.


Você também pode gostar de:

Marinha realiza ‘Operação Verão 2020/2021’ na região

De acordo com a secretária Municipal de Obras, Habitação e Serviços Urbanos, Tereza Leriano, foi realizada uma notificação do Ministério Público sobre os loteamentos.

Ficou acordado que seriam finalizadas aprovações apenas dos que já estavam em fase final de aprovação, no caso eram os loteamentos Jequitibá, Jacarandá, Condomínio Vale Verde 2 – aguardando documentos da Procuradoria, condomínio fechado e o Mirante do Vale 2. Para continuar a aprovação dos lotes, será necessário finalizar a reforma do Plano Diretor, que está sendo elaborado e deverá ainda ser votado pela Câmara Municipal de Passos”, disse Tereza.

Nos condomínios de classe média Vale Verde 2 são 404 lotes e no Mirante do Vale 2, 124 lotes; já nos populares Jequitibá e Jacarandá 600 lotes ao todo. Em agosto foi aprovado o Jardim Canadá 3 com aproximadamente 200 lotes populares.

Conforme explicou Tereza, os pedidos de aprovação dependem de atendimento a uma série de documentações.

Em alguns casos os empresários não atendem a estes requisitos. Como exemplo, os dois loteamentos Jacarandá e Jequitibá, tiveram pendências de impacto de vizinhança. A documentação complementar só foi entregue em setembro. Quando os chamamos novamente, os empresários questionaram outras cláusulas, tais como o prazo de registro no cartório, que é de 90 dias, mas que não está sendo realizada no prazo. Com isso, dá-se a impressão da demora nos trâmites da administração, quando na verdade são prazos que temos que ter de tramitação no GTA, no Conselho da Cidade, na Procuradoria”, disse Tereza.

O empresário Antônio Maia da Silveira, o Faxa, apontou que Passos tem um déficit habitacional da ordem de 10 mil moradias e, com a demora, mais de 2 mil casas deixaram de ser construídas.

Este levantamento foi feito no início deste ano. Na minha opinião, o prejuízo maior causado pela morosidade da administração pública não foi para nós empresários, mas para a população”, afirma o empresário.