Destaques Geral

Passos lidera ranking de padres na Diocese de Guaxupé

1 de julho de 2020

Passos possui hoje o maior número de padres a serviço da Diocese de Guaxupé. / Foto: Divulgação

PASSOS – Considerado o quarto município populacional da região Sul de Minas Gerais de acordo com dados divulgados em agosto de 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Passos possui hoje o maior número de padres a serviço da Diocese de Guaxupé. São nove, à frente de Poços de Caldas, com oito, seguido por Areado e Alfenas que nos últimos anos revelaram sete religiosos cada.

O levantamento foi realizado por solicitação desta Folha ao padre Francisco Albertin Ferreira, atual pároco de São Judas Tadeu, em Passos, e o representante dos outros 96 sacerdotes diocesanos de Guaxupé que atuam em 87 paróquias instaladas em 43 cidades e alguns distritos. Outras duas dioceses, Pouso Alegre e Campanha formam a Província Eclesiástica de Pouso Alegre, que também é a cidade-sede da arquidiocese.

Os padres passenses exercendo atualmente os diversos tipos de trabalhos de evangelizar são: Antônio Carlos Maia, César Acorinte, Donizeti Antônio Garcia, Gilmar Antônio Pimenta, Gladstone Miguel da Fonseca, Matheus Júnior Pereira, Robison Inácio Santos, Wellington Cristian Tavares, e Luiz Gonzaga Lemos, aposentado e capelão no Carmelo São José, em Passos. Todas as nove paróquias de Passos estão sob a responsabilidade de sacerdotes nascidos em outros municípios. Os 97 padres da diocese exercem as funções de párocos, administradores paroquiais, vigários, eméritos e um incardinado, clérigo de outra prelazia.

O padre mais idoso é Ailton Goulart Rosa, de 66 anos, natural de Pratápolis e pároco de Nossa Senhora da Abadia em São Sebastião do Paraíso. Sobre o sacerdote mais novo da diocese, Albertin disse ser muito difícil saber qual é. “Acontece que ao deixar o período diaconal o religioso recebe primeiramente a missão de administrador paroquial”, explicou. Padre Mário Pio de Faria, de 90 anos, é o emérito da paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Carmo do Rio Claro, com mais tempo de vida sacerdotal: 65 anos.

Para se tornar padre é necessário ter concluído o ensino médio, um ano de propedêutico, frequentar três do curso de filosofia, quatro de teologia, um de estágio pastoral e por último ser ordenado diácono.

Bispos

Desde sua criação, em 3 de fevereiro de 1916, a Diocese de Guaxupé teve oito bispos. O primeiro foi dom Antônio Augusto Assis, seguido por Ranulpho da Silva Farias, Hugo Bressane de Araújo, Frei Inácio João dal Monte, José da Almeida Baptista Pereira, José Alberto Lopes de Castro Pinto, José Geraldo de Oliveira do Valle, hoje emérito e reside em Ribeirão Preto (SP), e José Mauro Pereira Bastos. O atual é dom José Lanza Neto. O bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro e o bispo de Teófilo Otoni (MG), dom Célio da Silveira Calixto Filho e dom Messias dos Reis Silveira, respectivamente, são passenses.

Os títulos oficiais da igreja católica são: diácono, capelão, padre, pároco, cura, cônego, vigário-geral, monsenhor, prelado, bispo diocesano, arcebispo metropolita, arcebispo primaz, patriarca, cardeal e papa.

São Judas

Francisco Albertin Ferreira nasceu em Monte Santo de Minas dia 21 de dezembro de 1966. Cursou faculdades de filosofia, em São Paulo, e teologia em Ribeirão Preto. Trabalhou como digitador das páginas amarelas, professor de história, filosofia, psicologia nas redes pública e particular de São Paulo.

Foi ordenado padre em Monte Santo dia 4 de maio de 1997, vigário por oito meses na paróquia Sagrado Coração de Jesus, pároco de São Paulo Apóstolo, em Poços de Caldas de 2006 a 2010. Entre 2010 e 2013 exerceu a função de missionário em Paragominas (PA), região amazônica. Em 2013 até 2019, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Campestre. Desde o dia 15 de novembro de 2019 é pároco de São Judas Tadeu, em Passos. Tem 11 livros religiosos publicados.