Destaques Geral

Passenses em Dubai comentam sobre a pandemia

27 de abril de 2020

PASSOS – Comandante da maior aeronave do mundo, um Airbus A380 da Emirates Airlines, com capacidade para até 615 passageiros, o passense Andre Luiz Silveira de Castro, mora em Dubai e conta a experiência de viver em estado de lockdown (confinamento total) por conta da pandemia do coronavírus. Normalmente, uma vez por ano, visita os familiares em Passos, assim como a também passense, comissária de bordo e ex-modelo Isadora Tomé Costa.

Piloto da Emirates há seis anos, Castro, sua esposa e os dois filhos ficaram por três semanas em confinamento total e agora começaram a relaxar as restrições. “Os Emirados hoje têm em torno de 9 mil casos de covid-19 e um total de 60 mortes. A população daqui é de 10 milhões, 80% estrangeiros e 20% locais, os emiratis”, conta. “Se comparássemos os números relativos de infectados daqui com o Brasil, teríamos o equivalente a 180 mil infectados e 1200 mortes.”

Conforme o piloto, seu último voo foi para Tóquio, no dia 15 de março, e ele ainda não sabe quando voltará a trabalhar. “A empresa continua operando voos de carga com a aeronave Boeing 777, todos os A380 estão parados e estamos à disposição da empresa aguardando o retorno das operações. Tivemos nossos salários reduzidos em 50%”, disse.

Para manter a saúde mental durante este período de pandemia o passense, que foi piloto da Força Aérea Brasileira (FAB) por 20 anos, explica que ele e sua família têm feito muita leitura, brincado de videogames com o filho, e aproveitando para a limpeza mais profunda da casa.

Sobre o coronavírus, o piloto afirma que pelo que tem visto no noticiário internacional, a doença não é nem de perto o apocalipse que foi anunciado. “Tivemos dois colegas brasileiros que contraíram o vírus, mas ficaram em isolamento e agora estão bem. A hidroxicloroquina está sendo utilizada aqui em Dubai junto com azitromicina e outros antivirais. Na minha opinião, e não sou especialista, as pessoas deveriam ficar tranquilas e respeitar o protocolo de higiene emitido pelas autoridades de saúde (uso de máscaras, álcool em gel, lavar as mãos com frequência, evitar tocar o rosto, evitar aglomerações)”, explicou.

Comissária

A comissária de bordo e ex-modelo Isadora Tomé Costa, 27 anos, filha dos passenses Pimenta Tomé Costa e Irinea, também mora em Dubai e trabalha na Emirates Airlines há dois anos. Ela conta que um mês antes de o país entrar em lockdown total os emiratis estavam pedindo distanciamento social.
Isadora explica que a situação tem sido bem rígida por lá. “Desde a última vez que foi estendido (uns 10 dias atrás), a gente só pode sair de casa a cada três dias. Só sai uma pessoa da casa, não pode ter mais de uma pessoa no carro e a gente precisa pegar uma permissão no site da polícia para poder sair. A permissão só é válida para mercado ou farmácia e dura, no máximo, três horas. Quando você faz o pedido, precisa colocar o endereço do lugar onde vai. Caso a polícia te pare, você não pode estar fora do horário e nem do local que você foi autorizado. É bem complexo esse negócio da permissão. E se você descumpre alguma coisa relacionada ao lockdown você pode receber uma multa. Que são bem caras, depende do que foi descumprido”, contou.

Graduada em Design de Moda pela Fumec de Belo Horizonte, Isadora explica que neste período de pandemia começou a cozinhar. “Coisa que não fazia antes era cozinhar. Estou fazendo ioga e tenho sorte que uma das minhas melhores amigas mora no apartamento acima ao meu, então estamos sempre juntas também. Mas fico em casa”, afirmou a passense.