Destaques Literatura

Passense ressalta importância da Bíblia

POR GABRIELLA ALUX / Especial

12 de dezembro de 2020

Aos 75 anos, Rubem leu 87 vezes a Bíblia e pretende lançar um livro em cima de suas anotações. / Foto: Divulgação

Amanhã, dia 13, é o Dia Nacional da Bíblia de acordo com a Lei Federal nº 10.335, sancionada em 19 de dezembro de 2001, que institui o segundo domingo do mês de dezembro a ser comemorado em todo território nacional. E em Passos esse é um dia de comemoração para o presidente da Associação Cultural dos Escritores de Passos e Região, Rubem Soares Machado. Aos 75 anos ele completa a 87ª vez que leu o Livro Sagrado.

Eu aprendi a ler com a Bíblia, antes mesmo de ir para a escola, pois minha mãe era muito religiosa, então eu sempre a li, desde menino. Hoje, leio todos os dias três capítulos e, aos finais de semana, acrescento para cinco e essa é a forma ideal que considero para lê-la completamente durante o ano. Antes da pandemia do coronavírus, havia lido 79 vezes e agora, completei 87 vezes que li o livro inteiro de capa a capa, em diversas versões, desde católicas, protestantes, mais antigas e atuais. A minha preferida é a versão de João Ferreira de Almeida”, contou Machado, que nasceu na cidade de Aimorés, mas que recebeu o título de cidadão passense através de uma homenagem da Câmara Municipal de Passos,

Para Machado, que professa e frequenta a igreja Adventista do Sétimo Dia, há um paradoxo nos textos sagrados, já que, por mais que se leia muito, o conteúdo não se esgota e, às vezes, até mesmo uma pessoa culta não consegue entender algo simples que outra menos instruída compreende.

A leitura da Bíblia, para mim, é como o garimpo de pedras preciosas que, quanto mais cava, mais se acha. Ela não é para ser apenas lida, mas estudada. Também deve ser levado em consideração o coração, não apenas o racional. Além disso, ela responde muitas perguntas que nos intrigam, como ‘quem somos?’, ‘de onde viemos?’, ‘onde estamos na história do futuro?’, ‘para onde iremos?’, ‘por que alguns bons padecem e os maus florescem?’ e diversas outras”.

O importante não é a quantidade de vezes que lê, mas o que você faz enquanto isso. Algumas pessoas acham que quem lê esse livro não tem cultura, mas pego o exemplo de Dom Pedro II, Abraham Lincoln, Rui Barbosa e outras figuras que liam e recomendavam a leitura da Bíblia”, completou o escritor.

O passense ainda tem como projeto escrever um livro sobre a Bíblia a partir de suas anotações ao longo da sua vida, como as histórias, curiosidades bíblicas, referências, relações com a ciência, todas as promessas, provas da inspiração divina e como o livro sagrado chegou até a civilização. Segundo o escritor, o material ainda está em formato de protótipo e não há previsão para a data de lançamento. “O meu objetivo maior é incentivar as pessoas a lerem a Bíblia”, finalizou.