Destaques Esporte

Passense pode jogar em Formiga

12 de novembro de 2020

Foto: Divulgação (Site EBC)

PASSOS – Bastante preocupada com o atraso na reforma do estádio municipal Geraldo Starling Soares, que receberá os jogos do Passense no Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, a diretoria do clube já cogita a possibilidade de realizar os primeiros confrontos longe de Passos. Na terça-feira, 10, três dirigentes do Alviverde foram até Formiga, na região Centro-Oeste de Minas Gerais, para firmar parceria com a diretoria do time profissional local e usar o estádio Juca Pedro nas rodadas iniciais.

O técnico do Passense, Flávio Queiroz, revelou à Folha que está decepcionado com o secretário municipal de Esporte, Lazer e Juventude, Flávio Costa Sarno, o Mamão, porque não vê nenhuma perspectiva de o Starling Soares ficar em condições de receber jogos da Segundona. O time estreia, em Passos, daqui a 23 dias.

Do jeito que estou vendo o andamento da reforma no estádio, dificilmente a Federação Mineira de Futebol (FMF) vai aprová-lo. Não vejo andamento da obra, exceto o gramado, mas mesmo assim falta grama em certos pontos. Até apoio por parte da prefeitura falta para nós fazermos, antes do dia 28 de novembro, um jogo-treino ou amistoso, em razão da falta de campo na cidade. Está complicada a situação”, disparou.

Mamão diz que não se sente culpado pelo Starling estar na atual situação e jogou a responsabilidade para os dirigentes do Passense.

Há várias testemunhas, uma delas é o Juliano Benedito, o Carneirinho, cuidador do gramado. Ficou acordado verbalmente que o clube iria fornecer materiais de construção para a reforma de um dos vestiários de suplentes e as placas de grama que serão colocadas, principalmente na pequena área, mas até hoje, nada. Os operários da prefeitura estão prontos para trabalhar”, justificou.

Diante dessa situação, Queiroz lamenta que a população passense, em geral, não apoie o clube, que volta a disputar um torneio estadual de profissionais depois de 12 anos.

Muitas pessoas confundem com a outra agremiação da cidade e sem time profissional. Isso não pode ocorrer em um município de 115 mil habitantes. O Passense está elevando o nome da cidade para todo o estado de Minas Gerais, porém nossas dificuldades são enormes por falta de aceitação pública”, afirmou.

De acordo com o treinador, para o Passense se deslocar de Passos até Formiga, caso o estádio Juca Pedro ainda seja aprovado pela FMF, a diretoria vai gastar, por jogo, uma fortuna, algo que o clube não tem.

Se o Starling Soares não ficar pronto nos próximos dias, vamos arcar com viagens de ida e volta, dois dias em hotel, aluguel do campo, médico, ambulância, borderô e outras despesas. É totalmente inviável, mas não podemos abandonar a Segundona, que começa oficialmente no dia 21 de novembro. Para isso, precisamos contar com ajuda da prefeitura, torcedores, comerciantes e empresários de Passos”, finalizou Queiroz.

Curiosamente, o presidente do Passense, Rogério Santos, acidentou-se quando estava visitando as dependências do estádio Juca Pedro. Ao se desequilibrar na arquibancada, sofreu ferimentos leves pelo corpo e ficará afastado da função pelos próximos dias. “Não foi nada grave, mas, por orientação médica, é melhor ficar em casa se recuperando”, explicou o treinador, que também esteve em Formiga, acompanhado do vice-presidente, Moisés Andrade.

Em 2018, o Passos FC disputou a Segunda Divisão mineira e, como o Starling Soares não passou pela vistoria da Federação, seus jogos como mandante foram realizados no estádio Farião, em Divinópolis. No final do torneio, que teve a participação de mais 12 equipes, o tricolor de Passos ficou em 11º lugar, com apenas um ponto. Foram dez derrotas, um empate e uma vitória (mas a equipe perdeu os pontos pela escalação de atletas irregulares).