Destaques Opinião

Pandemia em Passos

POR KEILA REIS

27 de janeiro de 2021

O ano de 2021 começou com muita polêmica e politização! O excesso de informação e desinformação vem nos cegando para o que importa realmente. A pandemia parece que despertou ainda mais a ignorância e o egoísmo do ser humano. Parece que estamos divididos entre culpados e inocentes, e, que não importa quem pague a conta desde que “a vida” seja defendida.

O vírus se transformou na justificativa para tudo, porém precisamos ponderar sobre dados reais e ver o que realmente vai sobrar de resultados para nossa cidade quando a vacina chegar e os hospitais ficarem tranquilos.
A ciência, os estudos e a vida prática mostram que a Educação é o único recurso que pode mudar esse mundo pós-pandemia para melhor. Tente dialogar sobre a pandemia com pessoas ignorantes, formadas ou não, porém sem os valores de família e educação.

Ambos irão tratar a pandemia e os problemas da cidade buscando um culpado, alguém, e nunca olhando para si próprio e reconhecendo que ele é parte do problema e da solução. As mídias sociais estão repletas deles, são críticos sem critérios, sem base na realidade emitindo opiniões, dos mais instruídos aos mais humildes, que sem analisar todos os pontos, fatos e lados, acabam mais atrapalhando que ajudando. Portanto, a solução passa pela Educação e pela informação de qualidade.

Os políticos quando eleitos se tornam mandatários, ou seja, não são mais meros ouvintes da opinião pública, são executores das políticas públicas e do uso do dinheiro que nós, trabalhadores, empresários, pagadores de impostos entregamos ao Governo. Por isso a postura e leitura precisam mudar. O Gestor público precisa mais que saber lidar, deve estar atento às críticas construtivas e as informações relevantes, e mais, ele tem a obrigação de ser um seletor e voz da boa informação que tanto precisamos.

Decisões baseadas apenas na opinião pública e nas pressões, visando pequenos grupos e seu entorno partidário deveriam ser a exceção e não a regra. Chega do “quem grita mais ganha”. E quem nós estamos mais prejudicando com essas atitudes restritivas? A resposta é: nossas crianças, que são nada menos que nosso futuro! Sem priorizar a educação básica estamos destruindo qualquer futuro próspero que Passos esteja almejando. Porque teremos mais jovens e adultos sem instrução suficiente para fazer julgamentos e absorver a boa e correta informação.

A vida” que citei no começo da matéria está reduzida a 30 leitos de UTI lotados? E não estou sendo insensível a dor das vidas perdidas em Passos, não só para Covid, mas para as demais doenças. Mas a morte é a consequência do que fazemos com a nossa vida.

Fico mais arrasada com os milhares de pequenos passenses sofrendo sem direito a escola, em depressão, com a saúde mental comprometida para sempre. Fico arrasada, com as milhares de vidas perdidas nas grandes capitais, com as pessoas sufocando sem oxigênio em Manaus. Desculpem a franqueza, mas, se comparar as muitas realidades Brasil afora, Passos e região são privilegiados na saúde com a gestão da Santa Casa. Não é a saúde que grita por socorro! E sim os empregos e a educação que agonizarão por aqui em breve, numa proporção assustadora, diante dos nossos 115 mil habitantes.

Fico arrasada com o egoísmo e a incompetência em decisões mal dadas na política de cima pra baixo, lá da presidência, do nosso Congresso Nacional, no Senado, no STJ, na nossa Assembleia Legislativa, todos priorizando muitas vezes a suas ideias políticas de grupos em detrimento ao que é melhor para a maioria da população. Quem tem a caneta na mão tem sempre de pensar na maioria, mesmo que seja muito difícil.

Milhares de empregos e rendas estão sendo perdidos. A evasão escolar pós-pandemia será imensa, nunca vista antes. Atrasaremos nosso país mais anos e anos na classificação IDEB para cada mês perdido na Educação. Então, me desculpem, mas os protocolos da pandemia a nível Brasil, a nível MG, a nível Passos precisam de um novo Plano, pois privilegiar minorias e massacrar maiorias nunca será a solução.

Estamos com apenas 25 dias da posse do prefeito Diego Oliveira, e Passos precisa urgente da participação das pessoas esclarecidas, embasadas em informações, tomando frente na cobrança das decisões políticas impostas ou teremos mais anos difíceis por vir. A Prefeitura, a procuradoria e o Ministério Público precisam sair da bolha do conforto legal e ver a realidade local, ouvir a sociedade para decidir com a maioria dos cidadãos Passenses, antes de pressionar e impor decisões.

Enfim, precisamos de união de todos os setores, de mais pluralidade no ouvir, de mais reuniões abertas, consultas públicas ou colegiadas para que as decisões tomadas sejam realmente justas e inclusivas para todos.

KEILA REIS é líder do partido Novo em Passos.