Destaques Geral

Padre Gilvair é transferido para Poços de Caldas

18 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS – Depois de três anos, cinco meses e 18 dias, completados neste domingo, 17, o padre Gilvair Messias da Silva, de 38 anos, deixa uma das mais tradicionais paróquias de Passos, a de São Benedito. Sua última celebração litúrgica solene como pároco está prevista para as 19h deste domingo.


Você também pode gostar de:

Justiça decide pela manutenção dos cargos de motoristas em Alpinópolis

Natural de Poço Fundo, Gilvair revelou que não vai cumprir o tempo de seis anos que um padre diocesano normalmente permanece em um território paroquial. Mestre em teologia, defendido por dois anos em Roma, filósofo, historiador e jornalista, pós-graduando na área de psicanálise, autor de um livro de fábulas, e outro de poesia, preferiu se dedicar ao magistério conjuntamente à função de vigário na paróquia São Paulo Apóstolo, em Poços de Caldas.

Depois de pensar bem sobre meu futuro, conversei com o bispo dom José Lanza Neto e ele relevou minha proposta de continuar sendo mais professor do que pároco. As aulas de teologia serão ministradas na Faculdade Católica de Pouso Alegre, onde está a sede da província eclesiástica e congrega também as dioceses de Guaxupé e Campanha. Logisticamente, estarei bem mais perto se comparando Poços com Passos”, explicou Gilvair, que será substituído pelo padre Gentil Lopes de Campos Júnior, de 52 anos, que já se despediu dos amigos e fiéis da paróquia matriz de Santa Bárbara, em Guaranésia.

Durante os quase três anos e seis meses que permaneceu à frente da comunidade de São Benedito, o sacerdote afirmou que se sente realizado.

Sou grato ao povo simples, bondoso e receptivo de São Benedito, inclusive a toda Passos que me acolheu de forma extraordinária. Saio por necessidade relacionada à minha carreira acadêmica. Conquistei amigos, os quais levarei para sempre comigo”, comentou.

Gilvair, que completa 13 anos de sacerdócio dia 10 de outubro deste ano, lamenta profundamente não iniciar o projeto de reforma da igreja matriz, localizada na praça Cônego José Timóteo, mas, por outro lado, está feliz por ter finalizado a tão sonhada obra do belíssimo Centro de Pastoral.

Foram 18 anos de espera, e hoje pode servir toda a comunidade até com folga. São dois andares de um prédio que qualquer paróquia gostaria de tê-lo para concentrar todas as atividades e eventos conforme as necessidades pastorais. Feliz por fazer parte da história dos sacerdotes que passaram por aqui”, pontuou.

Outra conquista relatada pelo padre é a difícil tarefa de conseguir registrar a escritura do terreno onde está construída a atual igreja matriz. Gilvair afirmou que foram necessários dois anos de constantes pesquisas documentais baseadas na história da paróquia, fundada em 18 de junho de 1952.

Foi muito difícil transformar um ato de doação das terras, sem nada comprovado na época, até comprovar que um quarteirão inteiro, onde foi construída a capela, é da freguesia”, explicou.

Graças ao trabalho do atual pároco, foi possível a elaboração dos projetos relacionados à área de engenharia civil, necessários para a reforma completa da igreja.

A começar pelo telhado, forro e rede elétrica. Os recursos necessários foram arrecadados através de doações, Campanha dos Devotos a São Benedito, e eventos realizados antes da pandemia, que por sinal, nos prejudicou bastante em razão da diocese ter limitado qualquer início ou continuidade de obras a partir de março de 2020”, detalhou o pároco.