Cidadania Destaques

Padarias fazem doações para pessoas carentes

Por Adriana Dias / Redação

29 de março de 2021

Em Carmo do Rio Claro, o panificador Rogério Cardoso Bueno fez um espaço especial com ganchos na parede onde coloca em média 30 sacolinhas de doações por dia. / Foto: Divulgação

PASSOS – Exemplo bíblico em tempos de quaresma e de quarentena pandêmica, donos de padarias se solidarizam com aqueles que não têm condições e estão praticando o ‘pão para quem tem fome’. A atitude teve início em Carmo do Rio Claro, na Padaria Tia Rita, e se espalhou por outras cidades. Em Passos, diversas panificadoras colocaram mesas nas calçadas com quitutes para quem precisa.


Você também pode gostar de: Casos prováveis de dengue aumentam 6,6% na região

De acordo com Rogério Cardoso Bueno, a padaria que foi fundada em 1952 por seu pai, sendo uma das mais antigas do Sul de Minas, sempre pratica o bem ao próximo, de maneira muito discreta.

Estou na segunda geração. Com o falecimento do meu pai, minha mãe assumiu a panificação e, desde 1987, eu estou responsável, junto com meu irmão. Fazemos doações para algumas entidades assistenciais de Carmo do Rio Claro e, como membro da Associação dos Vicentinos, sempre contribuímos. E agora, com a pandemia, vi que aumentou o desemprego até mesmo na região e entendemos, eu e minha esposa Mara, colocar as sacolinhas de doações do lado de fora da padaria. Pega quem quer e vai da consciência de cada um saber se pode e o quanto pode pegar”, disse Bueno.

Questionado se viu este tipo de ação especificamente na pandemia, o panificador carmelitano contou que foi informado sobre uma postagem nas redes sociais e achou a ideia interessante.

Nós fazíamos as doações de formas específicas, agora fica nos ganchos que colocamos do lado de fora da padaria. Em média, doamos cerca de 30 sacolas. Além destas que nós somos responsáveis, alguns carmelitanos nos ligam e pedem para fazer a doação em nome deles, anonimamente, também. Teve início no dia 17 de fevereiro e pretendemos poder contribuir até que esta situação melhore. Não marcamos data para terminar, vamos ver até quando será possível contribuir com quem precisa”, contou o empresário.

Segundo ele, outros setores da economia também podem fazer ações de solidariedade para ajudar as pessoas que estão em situação de vulnerabilidade.

Isso não resolve os problemas sociais das cidades da região, mas ameniza o sofrimento dos irmãos que estão carentes e estamos desempenhando nosso papel de ser humano”, assegurou.

Em Passos, diversas padarias também entraram na onda do bem nesta pandemia. Algumas que estão sendo alvos de comentários positivos nas redes sociais são a Ki Pão, a Alvorada, a Fontanelli e a Pão e Art, entre outras. Para o empresário do ramo da panificação Flávio Lemos de Rezende, a doação é algo que faz parte da história da sua família.

A vida inteira meus pais acreditaram ser uma forma de devolver a Deus aquilo que recebemos com o esforço do nosso trabalho, por isso doamos. Claro que não saímos falando isso por aí mas, todos os dias já deixamos parte da nossa produção para pessoas que passam e pedem. Agora, na pandemia, temos feito mais doações por conta justamente do momento”, assegurou Flavinho, como é conhecido.