Destaques Lingua Portuguesa

Oximoro: o contraste na linguagem

Por Anderson Jacob Rocha

11 de janeiro de 2021

É com tristeza que constatamos, hoje, mais de 200 mil vítimas fatais pela ocorrência do covid-19. No dia 23 de outubro do ano passado, foram constatadas mais de 155 mil mortes, pelo mesmo motivo. Naquela data, li o seguinte fragmento de texto, do site “Poder 360”: “se fôssemos aderir ao costume do futebol de fazer um minuto de silêncio por cada vítima da pandemia, potencializada pela condução criminosa no comando da crise, quando chegamos a 155 mil mortos na conta oficial, que certamente é muito defasada, subnotificada, já teríamos que fazer 155 mil minutos, ou 2.583 horas, ou 107 dias, ou seja, 3 meses e meio de silêncio absoluto. Seria um silêncio ensurdecedor”. Esse texto foi escrito por Antônio Carlos de Almeida Castro e publicado em https://www.poder360.com.br/opiniao/coronavirus/silencio-ensurdecedor-por-kakay/.

Vou pegar o último enunciado “seria um silêncio ensurdecedor” para explicar uma figura retórica que se chama oximoro. Antes de mais nada, é muito comum pronunciar essa palavra como se fosse uma proparoxítona (oxímoro), no entanto, a pronúncia aceita pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, mais conhecido pelos especialistas como VOLP, se assenta em uma paroxítona (oximóro). Oximoro, portanto, é paroxítona e não possui acento.

Oximoro é um recurso retórico que faz a relação entre palavras que são, semanticamente, contrárias. Oxýs e morós são dois termos do grego que formam a palavra oximoro. A primeira, oxýs, significa agudo, penetrante, inteligente, e, a segunda, morós, representa tolo, estúpido, sem inteligência. Aqui, vemos que ela é formada por dois termos contraditórios. Dessa forma, a palavra oximoro é um oximoro dela mesma.

Assim, em “silêncio ensurdecedor”, temos um oximoro, já que a palavra silêncio contrasta com o termos ensurdecedor. A figura retórica, que é um argumento que utiliza a emoção, chama a atenção quando expõe a característica contrária do substantivo “silêncio”, ou seja, o adjetivo utilizado “ensurdecedor” revela uma harmonia na contradição do significa primeiro das palavras.

Isso causa um efeito que reforça a tristeza do autor do texto, pois dizer “silêncio ensurdecedor” é um oximoro que combina duas palavras opostas, mas que se revelam em um contexto próprio. Para pensarmos um pouco, vou deixar aqui um outro oximoro: “em tempos de pandemia, temos visto lindas ignóbeis atitudes”.

ANDERSON JACOB ROCHA – Doutor em Língua Portuguesa. Autor do livro: A Linguagem da Felicidade. Instagram: @prof_andersonjacob. Youtube: Prof. Dr. Anderson Jacob