Destaques Do Leitor

O gigante chinês

7 de novembro de 2020

Não é novidade para ninguém que a China ditatorial, possuidora de partido Único, detém grande parte da economia mundial. Além do mais, a condição econômica da maioria de seus habitantes é mediana e promissora, segundo vários informes de boa parte da imprensa. Por outro lado, infelizmente, parece ser a falta de democracia no país a responsável pela disseminação do coronavírus. No mundo todo, o grande mal deste século até agora. Fica difícil, por isso, tecer elogios.

Flávio Josué Queiroz – Passos/MG


De olho nos Estados Unidos

A eleição nos Estados Unidos em 2020 é uma das mais tensas dos últimos anos. Por ser uma potência mundial, o rumo das eleições nos EUA implica consequências para muitos outros países devido à sua influência; portanto, o mundo inteiro para e acompanha a acirrada disputa entre Trump e Biden. Biden ganhou um destaque massivo, já tendo superado até então o recorde por votos populares no país, mas pela forma como as eleições ocorrem nos EUA, com o sistema de delegados, o rumo da disputa segue incerto, podendo terminar em vitória para qualquer um dos lados. Artistas, jovens e pessoas com o olhar mais voltado para o social, em sua grande maioria, apoiam Biden, e a vitória do candidato pode representar uma grande mudança no rumo da política dos EUA, que vem sendo governado por um conservador preconceituoso, que precisa ter seus anos de governo finalmente encerrados.”

Eduardo Martins – Belo Horizonte /MG


O perigo volta a assombrar

O coronavírus está adormecido. Acordou na Europa e na Alemanha. Espanha, Itália, Irlanda, França e Inglaterra estão em apuros. No Brasil, felizmente, há a redução de óbitos e contaminados, mas não podemos abrir a guarda nem afrouxar a segurança – higienização, uso de máscaras e evitar aglomerações. Fica o alerta.

Humberto Schuwartz Soares – Vila Velha/ES