Destaques Folha Motors

Novo SUV VW Taos é bom de guiar, muito tecnológico e sobra no espaço

12 de junho de 2021

Feito na Argentina, Volkswagen Taos usa o motor 1.4 turbo flexível de 150 cv, tem vasta tecnologia e uma direção direta e afiada

Depois de Tiguan Allspace, T-Cross e Nivus, a Volkswagen conseguiu encaixar mais um SUV em sua gama e, finalmente, lança o Taos com preços entre R$ 154.990 e R$ 191.060 na série especial de lançamento Launch Edition. Entretanto, ao contrário das últimas apresentações, desta vez, o Jornal do Carro foi conferir como o novo utilitário se sai, na prática.

O SUV — que acabou com todas as unidades reservadas à pré-vendas em apenas 7 minutos — chega com preço acima dos rivais Toyota Corolla Cross e Jeep Compass. Mas suas grandes apostas estão em quesitos como tecnologia, espaço e, também, motorização.

Embora não ofereça opção a diesel, como o Compass, nem sistema híbrido, como o Corolla Cross, a Volkswagen aposta na receita turbo flex para este argentino — que chega no Brasil sem pagar imposto de importação.

Mesmo com menos potência que o Compass, o 250 TSI do Taos gera bons 150 cv do motor 1.4 turbo flexível. O torque também é um pouco menor do que no Compass (25,5 mkgf contra 27,5 mgkf do 1.3 GSE turbo flexível da Stellantis), mas está longe de fazer feio e já está disponível a partir de breves 1.500 giros. Resultado: força total em boa parte do tempo.

Com a ajuda do câmbio automático de seis marchas (que tem aletas atrás do volante para as trocas numa condução mais esportiva), o Taos acelera de 0 a 100 km/h em 9,3 segundos. Atinge, assim, a velocidade máxima de 194 km/h. Tem bastante vigor, arrancadas e retomadas espertas, e boa dose de fôlego. Pesa 1.420 kg e é mais leve que o rival da Jeep, mas não espere um comportamento muito diferente dos demais SUVs da Volkswagen. A direção (elétrica) do SUV com tração dianteira se mostrou extremamente direta.

O som do motor não invade a cabine do Taos quando se pisa forte no pedal da direita. Durante as primeiras impressões com o Taos – na pista de testes da Goodyear, no interior de São Paulo — foi possível notar que, mesmo em altas rotações o motor não grita. Em curvas, não deu trabalho. E mesmo com o solo molhado, nada de escapar. Mérito, inclusive, do controle de estabilidade. Em curvas, não deu trabalho com a suspensão independente nas quatro rodas — tipo McPherson na dianteira e Multilink atrás.

Tecnologia para todo lado

Por meio do VW Play (sistema de infotainment da marca, que tem tela de 10,1″, memória interna própria de 10 GB, mas não tem wi-fi nativo) é possível selecionar até quatro perfis de condução. São elas: Eco, Normal, Sport e Individual. O objetivo é garantir diferenças nas respostas da direção, consumo e até luz ambiente. São 10 cores, no total.

Mas a tecnologia não para por aí. Um radar frontal é capaz de, por exemplo, conferir inteligência nos faróis (iluminados por LEDs) com sistema IQ Light e, também, operar avançados recursos de segurança. Nesse sentido, destaque para o controle adaptativo de cruzeiro (ACC) com o sistema Stop & Go. Ou seja, o veículo acelera e freia sozinho, conforme o carro à frente – cuja distância é controlável ao simples toque de um botão no volante.

Tem, ainda, frenagem autônoma de emergência que detecta pedestres e sistema de frenagem pós-colisão. Este último serve para brecar o Taos após um primeiro impacto. Isso reduz, significativamente, as consequências de acidentes multicolisão. A atuação é feita em conjunto com o supracitado controle eletrônico de estabilidade (ESC). Na lista, ainda têm os detectores de tráfego traseiro e de fadiga, controle de tração, assistente de partida em rampas e sistema de bloqueio eletrônico do diferencial.

Espaço e detalhes do interior

Se por fora, o que mais chama atenção no Taos é a nova barra iluminada por LEDs que atravessa a grade dianteira, por dentro, tem bastante a ofertar. A começar pelo volante, que vem do Golf 8 europeu (e do Nivus) e, ao centro, tem o novo logotipo da VW, em 2D. Pouco adiante, quem figura é o painel digital Active Info Display, com tela de 10,25″.

Apesar de conter partes em plástico duro (sim, aqueles usados no Gol, por exemplo), o Taos tem partes em couro, encaixes bem feitos, aquecedor dos assentos da frente e um excelente espaço interno. Afinal, são 2,68 metros de entre-eixos. Por falar em medidas, o porta-malas é bem generoso e oferece 498 litros de capacidade. Cabe salientar que ambas as medidas são maiores que o rival direto Jeep Compass, que tem 2,63 m e 410 litros. Promete incomodar…