Destaques Eleições 2020

Nove urnas foram substituídas nas comarcas de Passos e Paraíso

18 de novembro de 2020

PASSOS – As eleições municipais de 2020, realizadas no último domingo, 15, levaram às urnas mais de 250 mil eleitores na região. Apenas seis urnas das 478 recebidas pelas comarcas do cartório eleitoral de Passos, São Sebastião do Paraíso e Piumhi apresentaram algum problema e tiveram que ser trocadas.

Em Passos, três urnas foram substituídas devido a problemas técnicos, como teclado sem funcionar. Apesar da substituição, o pleito ocorreu normalmente e foi considerado tranquilo pelo servidor do cartório Filipe Thiago Vasconcelos Vieira. A cidade havia recebido 225 urnas para o pleito e outras 27 reservas.

Dentro das condições adversas em que estamos vivendo, foi uma eleição tranquila. Com o planejamento, conseguimos suprir todos os problemas”, declarou.

Na zona 260, de São Sebastião do Paraíso, houve seis ocorrências, sendo quatro em Paraíso, uma em São Tomás de Aquino e uma em Itamogi, segundo informações do chefe de cartório eleitoral, Danilo Nascimento Borges. A comarca recebeu 139 urnas para a votação e 15 para substituição.

Já o cartório eleitoral de Piumhi foi na contramão das comarcas paraisense e passense – não houve nenhuma substituição de urna. Como informou a chefe do cartório eleitoral, Nellia Motta, apenas três urnas apresentaram algum problema, mas a equipe realizou o procedimento de ligar e desligar e rapidamente foi resolvido. Para ela, a eleição foi “extremamente organizada”. A comarca de Piumhi atende Capitólio, Doresópolis e Vargem Bonita, e recebeu 114 urnas e 8 urnas para contingenciamento.

Apesar das substituições, tudo correu de forma tranquila nas cidades da região. O único imprevisto foi por conta da apuração que se estendeu até depois das 23h, mas o problema aconteceu em todo o país. A demora inesperada na divulgação da apuração se deu devido à lentidão da totalização no banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que coleta as informações dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).


Ausência de mesários

Em relação ao pleito, houve ausência de alguns mesários em Passos. Segundo Vieira, 20 mesários se ausentaram das eleições, mas foram substituídos pelos 20 mesários extras que estavam a postos no Fórum. Quase a totalidade dos mesários justificou a ausência com atestado, outra porcentagem pequena apresentou justificativas relacionadas a questões pessoais. No entanto, na terça-feira, 17, a comarca ainda estava processando todas as ausências. Ao todo, trabalharam 900 mesários na cidade nesta eleição.

Como explicou Vieira, vai haver um processo administrativo contra aqueles que se ausentaram, mas como as faltas foram justificadas, os mesários não terão maiores problemas. Na comarca de Piumhi, dos 412 mesários convocados, apenas três não compareceram para trabalhar. Outras três pessoas também não foram, mas, como informou a comarca, a convocação delas não havia sido efetivada, uma vez que a carta de convocação retornou ao cartório sem assinatura. As justificativas das faltas também estão sendo apuradas.

Nem considero que teve ausência. Três é muito pouco, é natural nas eleições. As mesas têm quatro componentes, mas funcionam bem com três, então não teve problema nenhum pela ausência”, disse Motta.

Em São Sebastião do Paraíso, até terça-feira, 17, ainda não havia o balanço sobre ausência de mesários. Como a comarca abrange muitos municípios, os relatórios ainda estavam sendo processados. A ausência sem justificação enviada no prazo de 30 dias pode resultar em multa. Se o mesário for servidor público ou autárquico, a pena é uma suspensão de até 15 dias sem pagamento. No entanto, se o funcionamento da mesa receptora for prejudicado e parado devido à falta, a pena é duplicada para aquele que não compareceu.