Destaques Dia a Dia

Mudanças

14 de julho de 2020

Inúmeras vezes e em situações mais diversas, temos ouvido a afirmação de que só conseguiremos mudar alguma coisa na sociedade, na política, melhorar o nível dos relacionamentos, conseguir um desenvolvimento mais eficaz do país, através da Educação. E em todas elas houve total concordância de todos os envolvidos. Porém, partir da ‘ideia’ para a ‘ação’ é outra história.

Esse processo, é evidente, deve ter início em casa, onde os pais devem inteirar-se, cada vez mais, do que é necessário para transformar os hábitos de seus filhos, incentivando-os â leitura, exigindo o cumprimento de normas, ensinando os valores essenciais de uma boa convivência, pautados na ética e na moral. Já se sabe que não é repetindo ordens e broncas, que já não deram certo, que os pais conseguirão alguma mudança.

Na escola, por seu turno, vivenciar as diferenças de costumes, hábitos, valores e crenças de cada família, de cada pessoa, professores, alunos e pais, fornece a todos os envolvidos, oportunidade ímpar para o enriquecimento e crescimento pessoal.

De acordo com Fernando Caramuru: ‘esse cotejo (confronto) de diferenças, inquestionável e salutar, faculta-nos a constatação patente de sermos inclusivos, tolerantes, acolhedores e, imprescindivelmente, participantes. E é indispensável que se diga, não existirá participação sem que haja crítica, pelo menos no nível de “tomar parte”.

A Educação tem como meta primordial formar cidadãos íntegros e completos, homens e mulheres do mundo, num todo de compreensão e entendimentos humanos. É urgente que as escolas devam contribuir para gerar em seus alunos uma postura mental e comportamental mais consciente, participativa e livre de preconceitos.

Nossas escolas serão facilitadoras de mudanças quando tomarem para si seu verdadeiro papel de transformação junto às famílias e à sociedade. Os pedagogos e educadores terão oportunidades constantes de mudar paradigmas educacionais, através de um acompanhamento ininterrupto que lhes dará um mostruário mensal de resultados, através de um acompanhamento pedagógico contínuo e eficaz. Assim gira o mundo, cada vez mais rápido e exigente de mudanças. Assim gira o mundo e ‘caminha a humanidade’.

Nesses giros e nessas caminhadas, teremos, na medida do possível e do necessário, que participar, tomando partido, para que aprendamos o que deve e o que não deve fazer parte do nosso dia a dia.Faz parte de muitos indivíduos, infelizmente, uma infinidade de preconceitos: inveja, malquerença, ódio, alienação política e filosófica, comodismo, insensibilidade humana. Faz parte, mas não deveria.

Não faz parte, lamentavelmente, de incontável parcela do convívio social, a condição mais importante e inalienável de colocar o ser humano como medida de todas as coisas; e o amor, o processo inclusivo, a consciência crítica e sensível, a participação em todos os níveis, como medida de todos os homens e mulheres.

A educação é a grande mola propulsora das transformações do mundo. É urgente que se definam as metas necessárias para se conseguirem os resultados esperados e desejados. É imperiosa a mudança de paradigmas, tanto no lar quanto na escola. Há esperança para dias melhores. Depende de nós termos sensibilidade e darmos o ‘start’ no processo de transformação.