Destaques Esporte

Máscara para esportes ao ar livre pode se tornar hábito

12 de junho de 2020

Foto: Divulgação (Site EBC)

MUNDO – O uso de máscaras para praticar exercícios físicos é uma nova realidade, já que as autoridades sanitárias do mundo todo afirmam que álcool gel a 70% e máscaras faciais serão os objetos de uso pessoal a serem utilizados nos próximos meses e, talvez, anos. A chamada etiqueta higiênica compreende ainda proteção ao tossir e descarte correto de lenços, por exemplo. Para correr, além do tênis, meias, calção ou bermuda, camiseta e boné, há a necessidade de usar máscaras também.

Durante este período, a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde é de sempre cobrir o rosto ao sair de casa, mesmo que seja para a prática de exercícios físicos. Mas por que usar a máscara para correr ou fazer exercícios nos espaços dos parques ou nas ruas e lugares próprios como academias e clubes?

Ao respirar rápido ou falar ou mesmo espirrar, as gotículas sobrevoam o ambiente próximo. O mesmo ocorre com o suor eliminado durante as corridas e exercícios físicos.

Sabe-se que as secreções podem permanecer no ar por algum tempo antes de cair e se depositar nos objetos. Com isso, as suas poderão atingir outro esportista que passar por onde ele passou. Por isso, deve-se manter a distância de quatro metros entre os atletas usando máscaras e outros meios de proteção recomendados.

Há muitos atletas preocupados com a respiração nas atividades esportivas, porém não existe risco algum de vida. A inspiração de oxigênio e a expiração de gás carbônico sofrem apenas alguma resistência nas suas passagens pelas máscaras, por serem permeáveis a esses gases e isso pode necessitar de mais esforço muscular respiratório.

Sem dúvida, não podemos relaxar nos cuidados higiênicos e todos nós devemos uma manter atitude defensiva frente a essa pandemia vigente. Nos esportes individuais, devemos evitar as agradáveis aglomerações de muitos amigos para papear, nestes tempos difíceis.

Os esportes coletivos não são recomendados porque exigem o contato muito próximo, seja com os membros do mesmo time, como no vôlei, ou com os adversários, como no futebol e basquete; o contato faz parte do jogo.

Especialistas afirmaram que as máscaras não substituem o distanciamento social e o melhor modo de retardar a propagação do vírus, é ficar em casa, mas exercícios também ajudam na saúde física e mental.  Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), praticar regularmente atividades físicas ajuda a melhorar a função imunológica em seres humanos, ajudando as defesas do organismo diante de agentes infecciosos.