Cultura Destaques

Live Solidária arrecadou 300 cestas básicas, diz Pedrinho

Por Adriana Dias / Redação

20 de Maio de 2021

Segundo o secretário Pedro Silva, a live realizada dia 14 de maio foi uma parceria da prefeitura de passos com a AMPA. / Foto: Divulgação

PASSOS – O secretário de Cultura e Patrimônio Histórico de Passos, Pedro Silva, o Pedrinho afirma que a live solidária realizada no dia do aniversário de Passos, 14 de maio, foi uma parceria da Prefeitura de Passos com a Associação dos Músicos e Projetos Artísticos de Passos (Ampa).

Segundo ele, a administração municipal disponibilizou equipamentos de som e luz e transmissão da live, tendo investido aproximadamente R$14 mil. A associação se responsabilizou pela arrecadação das doações e organização do evento, que conseguiu cerca de R$13 mil e 300 cestas básicas, além de também ter entrado com o conhecimento técnico.

De acordo com Pedrinho, como a prefeitura não pode fazer doações, e nem receber doação em suas contas, é necessário que neste caso uma associação seja a responsável.

Toda a live foi feita pela prefeitura, não fizemos nenhum repasse. Tudo que entrou foi por meio de doação, não houve patrocínio, mas aquelas empresas que contribuíram receberam em forma de agradecimento a sua logo no evento. A secretaria e a Ampa pediram por ofício doações para vários empresários tanto dinheiro quanto cestas básicas. Tudo o que foi arrecadado será distribuído para os 70 artistas, pois não tivemos apenas músicos apresentando. E, como as cestas básicas são 300, outros artistas além destes também serão beneficiados, que são artistas cadastrados na secretaria de Cultura”, explicou Pedrinho.

Sobre o que foi divulgado na edição desta quarta-feira, de que a Ampa seria uma dissidência do Movimento dos Artistas de Passos (Mapa), Pedrinho afirma que não existe qualquer tipo de atrito ou briga.

O nome é apenas uma coincidência ótima. Temos membros da Ampa que fazem parte do Mapa, da Liga da Justiça – que são dois grupos que, digamos, capitaneiam os debates artísticos e não brigam. Não existe mais divisão como houve tempos atrás. Muito pelo contrário, essa é uma maneira de estruturarmos e tornar oficiais as classes artísticas. Passos já conta com a Associação de Desenvolvimento Cultural e Regional (Adesc) que tem pessoas do teatro; tem a Associação dos Pequenos Cantores de Passos; tem a Associação dos Congadeiros; a Associação dos Artesãos de Passos, então vejo de forma muito positiva o associativismo. Fortalece os envolvidos”, garantiu Pedrinho.

E ainda conforme Pedrinho, esta quantidade de associações pode vir, num futuro próximo ter uma União das Associações ou uma Federação de Associações. “É necessário ter de forma departamentalizada para falar a língua de cada grupo, as delimitações, exigências”, disse.