Destaques Esporte

Liga quer retomada da Taça Passos

Por Ézio Santos / Especial

25 de agosto de 2020

O Cruzeiro é cotado com o segundo time com chances de subir para a série a do campeonato brasileiro. / Foto: Divulgação (Site EBC)

PASSOS – O presidente da Liga Passense de Desportos (LPD), Odemir Garcia, diz que espera, ainda este ano, retomar a Taça Passos, competição de futebol amador que foi paralisada devido à pandemia do coronavírus. Já Campeonato Regional, previsto para começar no início do segundo semestre, não deve ser realizado. Conforme o dirigente, há duas condições necessárias para a volta das partidas. “Primeiro, o decréscimo nos casos e nas mortes causadas pela covid-19. Em segundo lugar, a autorização da administração municipal através de decreto”, pontuou.

Caso a competição volte ainda em 2020, Garcia garante que as medidas de contenção da doença serão adotadas. Na entrada dos estádios, jogadores, dirigentes e árbitros deverão fazer uso de álcool em gel e medir a temperatura. Além disso, todos terão de estar de máscara. Quem não estiver participando diretamente da partida deverá continuar a seguir os protocolos de segurança. “A entidade vai levar álcool em gel, exigir o distanciamento social e o uso de máscaras faciais para quem estiver fora do gramado. Nenhum torcedor poderá adentrar os estádios”, explicou o dirigente. O secretário Municipal de Saúde, Evandro Bogo, não quis comentar as declarações de Garcia e afirmou que o órgão está seguindo as determinações do programa Minas Consciente para conter a propagação do coronavírus.

Dívida

Depois de quase 20 anos com o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) bloqueado em razão de uma dívida com a Receita Federal, Garcia revela que o advogado da entidade conseguiu regularizar a pendência junto ao órgão.

O débito era superior a R$ 300 mil, nem sei o valor exato, mas ele conseguiu provar a inocência da Liga, e o prazo para pagar já tinha caducado. A dívida foi contraída na época pelo presidente da LPD, que cedeu o CPNJ para o Esportivo realizar seus bingos e o clube não pagou os impostos devidos. Por isso, não tinha como Liga comprar nada e nem receber repasse de recursos dos poderes públicos”, afirmou.

Agora o nome da entidade está limpo na praça, inclusive na Federação Mineira de Futebol. Acredito que a partir de 2021 possamos realizar campeonatos com recursos próprios e os clubes arcando apenas com despesas de inscrições de jogadores e viagens”, finalizou Odemir.