Agronegócio Destaques

Irmãos produzem 35 toneladas de uva por ano em Alpinópolis

Por Ézio Santos / Especial

13 de julho de 2021

São cerca de 3,3 mil unidades produzindo frutos, sendo 10%, da variedade Vitória, sem semente. / Foto: Divulgação

ALPINÓPOLIS – Os irmãos Agnaldo e Nivaldo Cruz Gonçalves, de 45 e 47 anos, respectivamente, começaram em 2003 a plantar os primeiros pés de uva Niágara (Fox Grape) na zona rural de Alpinópolis, na comunidade da Prata e chegam a colher 35 toneladas por ano, em média. A uva, popularmente conhecida como uva rústica rosada comum de mesa é uma variedade originária dos Estados Unidos que pertence à espécie Vitis labrusca. Hoje, são cerca de 3,3 mil unidades produzindo frutos, sendo 10%, da variedade Vitória, sem semente.

Antes de chegar em Alpinópolis, a família, que é de Jales (SP), foi morar em Santa Bárbara, no Oeste paulista. Em Minas Gerais, o pai comprou uma gleba de dois alqueires, distante seis quilômetros da cidade, onde instalaram uma horta de verduras e legumes, mas em poucos anos todos se tornaram viticultores.

Quando meu pai faleceu, há sete anos, o sonho dele ver o sítio formado por pés de uvas já estava realizado. Então, eu e mais dois irmãos estamos até hoje literalmente no ramo das parreiras ou videiras. Criamos até a marca Irmãos Gonçalves”, ressaltou Agnaldo.

Por ano, os irmãos atingem, em média, 35 toneladas com a produção da uva, nas safras de junho e dezembro, que é vendida para a prefeitura de Alpinópolis, para abastecimento do comércio local, das cidades mais próximas e de vendedores ambulantes, principalmente em Passos.

Quando há sobras, por causa da boa produção e pouca oferta no mercado, nós fabricamos vinho de forma artesanal para nosso consumo ou presentear amigos”, declarou o viticultor.

Maiores produtores de uva em Alpinópolis, segundo eles, Agnaldo contou que ainda não conseguiu ter lucro suficiente para maiores investimentos.

As despesas são muitas, como energia elétrica e insumos em geral. Fora os gastos com telas de proteção do parreiral, poço artesiano, e mão de obra em geral, ainda estamos pagando prestações de financiamentos desde quando iniciamos as atividades para valer. Tudo que compramos é caro, e se aumentarmos o preço da uva, não vende. Graças a Deus a gente trabalha para sobreviver”, comentou.

Agnaldo e Nivaldo, casados com Rosinei Batista Gonçalves e Maria da Glória Patrocínio, respectivamente, ainda têm como parceiros o irmão Novaldo Cruz Gonçalves, que possui uma pequena horta de verduras e legumes no mesmo sítio.