Destaques Geral

Ipiranga Agroindustrial deve contratar 400 em Passos

Por Ézio Santos / Especial

4 de março de 2021

USINA LOCALIZADA EM MOCOCA, ONDE ESTÁ A SEDE ADMINISTRATIVA DA IPIRANGA AGROINDUSTRIAL S/A . / Foto: Divulgação

PASSOS – Desde o dia 1º deste mês, o grupo paulista Ipiranga Agroindustrial S/A iniciou as atividades na unidade em Passos, resultado do arrendamento da planta industrial e de áreas rurais da Itaiquara, em processo de recuperação judicial. Com sede administrativa, em Mococa (SP), a nova e única empresa sucroalcooleira no município, não assumiu qualquer compromisso financeiro e ou obrigatório quanto à reorganização econômica, poder de gestão e financeira para evitar falência.


Você também pode gostar de: Acusado de comandar tráfico no Santa Luzia, pastor é preso

A gestão da fábrica de fermento continua sob o controle acionário da Itaiquara, sediada em Tapiratiba (SP). O contrato prevê o arrendamento da indústria de produção de açúcar e glebas de terras em outros três municípios da região. Os trabalhos relacionados à gestão da primeira unidade no estado de Minas Gerais já tiveram início com contratações de funcionários. A gerente do setor de Recursos Humanos da Ipiranga, Mônica Arruda, revelou que a previsão inicial é abrir aproximadamente 400 vagas de emprego para diversas áreas, mas as admissões serão gradativas ao longo dos próximos meses.

Dos 15 mil hectares arrendados, apenas 6,3 mil serão colhidos. Dentro de três anos teremos mais de 12 mil hectares de terras tomadas de cana”, detalhou Mônica. O setor de cultura da Ipiranga, vai manter ao longo dos anos, o processo de rotatividade de cultura com o plantio de soja. Sem revelar valores, há previsão de investimento na modernização dos implementos que serão utilizados no plantio, manutenção e nas próximas safras da cana-de-açúcar cultivadas em Passos, São João Batista do Glória, São José do Barra e Delfinópolis.

Sobre o parque industrial localizado na margem do Rio Grande, será reformado paulatinamente. A princípio, a Ipiranga, uma das potências paulistas no mercado de etanol, não vai reativar de imediato a destilaria instalada em anexo à indústria, mas há projeto para médio e longo prazo. O principal motivo é a falta de matéria prima para produzir também o combustível, já que a prioridade é o açúcar.

As três usinas do grupo – Mococa, Descalvado e Iacanga – são cooperadas da Copersucar, líder de comercialização de açúcar e etanol no país e exterior.

A Ipiranga acredita no potencial agrícola da região de Passos e na capacidade do setor sucroenergético em gerar empregos e divisas através da produção de alimentos, energia limpa, combustível renovável e uso de tecnologias brasileiras”, finalizou Mônica.


Área de soja avança 64,7% e cana recua

Passos foi de 8.500 a 14 mil hectares de soja no último ano, o plantio de cana diminuiu de 8 mil para 6.500 hectares no município. / Foto: Divulgação

PASSOS – O plantio de soja em Passos subiu cerca de 64,7% no último ano, enquanto o de cana diminuiu cerca de 18,75%, segundo dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG). O Grupo Ipiranga, que arrendou parte da usina de Itaiquara, deve ampliar a área plantada de cana no município.

De acordo com coordenador da Emater-MG regional de Passos, Edson Aparecido Gazeta, a plantação de cana não deve afetar a produção de soja em Passos e região. O plantio de soja, em Passos, subiu de 8,5 mil para 14 mil hectares no último ano, enquanto o de cana caiu de 8 mil hectares para 6,5 mil.

Vejo assim, áreas de soja que existem aqui em Passos, elas são plantadas quando o pessoal vai fazer a plantação dos canaviais. Creio que isso não vá afetar a produção de soja na região. Quando a gente sai daqui de São João Batista do Glória e vai pra Delfinópolis, é uma área grande da usina que era plantada com cana, hoje ela está toda com soja”, disse Gazeta.

Ainda de acordo com o coordenador, a plantação de soja é um processo de revitalização dos canaviais. Gazeta explica que a usina tinha também uma área que era arrendada de outros produtores.

Porque a usina também tinha área que arrendava de outros produtores, creio que eles não arrendaram para o Grupo Ipiranga. São de outras pessoas, produtores até de São Paulo”, disse.

O o extensionista da Emater-MG Paulo César Stripari afirma que ainda não há informações sobre o arrendamento do Grupo Ipiranga nas terras do Grupo Itaiquara e que, dificilmente, as áreas devolvidas pela usina serão usadas para o plantio de cana.

Claro que vai impactar, as áreas que foram devolvidas aos proprietários e que eles já arrendaram para a soja. Acho que, dificilmente, voltará para a cana. Acho que as áreas que a usina devolveu, dificilmente vão voltar para a plantação de cana, o mercado de açúcar já não está tão favorável. O volume de terras que o Grupo Itaiquara é proprietário é muito grande e muitas dessas glebas estavam abandonadas. Para esse ano, não há mudança nenhuma. Pro ano que vem, é pouco provável que o pessoal passe a arrendar as terras para a cana”, disse.