Destaques Dia a Dia

Incomensurável paixão

Por GABRIEL DE FREITAS FARIA

11 de setembro de 2020

Desde pequenos, Elizabeth e Francisco sempre foram melhores amigos. Ambos moravam em fazendas distintas, porém vizinhas. Toda manhã se encontravam quando saíam para cavalgar pela região da Serra da Canastra e Babilônia, divisa entre as fazendas, pois ali havia um lindo campo florido de sempre-vivas e lírios. Saíam sempre no mesmo horário, sem falta, até mesmo debaixo de chuvas, pois a amizade entre os dois era grande demais para ser interrompida por intempéries rotineiras.

O tempo foi passando e a amizade dos dois prevaleceu, com encontros sempre marcados pela impaciência e a necessidade da presença do outro. Porém, com a chegada da juventude, idade marcada por descobertas e surpresas, Francisco sentiu o despertar de um sentimento maior que a amizade pura e verdadeira, que sempre estivera presente entre os dois.

Era amor o que Francisco descobrira sentir pela linda Elizabeth… A partir da descoberta, ele passou a presenteá-la com buquês das mais lindas e diversas flores do campo.

Beth percebeu a paixão de Francisco e estava confusa, com medo de deixar a paixão separar a amizade presente na vida dos dois. Passados vários encontros no campo, um dia decidiram fazer um piquenique, onde o principal assunto foi o medo de perder a amizade, após a presença do amor, pois ambos se amavam: o medo de destruir a amizade prevalecia. Após horas e horas de boa conversa decidiu-se a vitória da paixão, selada com o primeiro beijo de ambos.
Após o acontecido, continuaram a se encontrar no campo, onde eram trocadas longos e belos poemas e juras de amor. Passavam a noite toda pensando um no outro, sobre o que conversar no dia seguinte, ou até mesmo qual seria o próximo passeio ou versos de amor a declamar para o outro.

Em um dia chuvoso, com direito a raios e grandes trovoadas, Elizabeth sentiu a falta de Francisco no lugar combinado no dia anterior. O lugar parecia triste, coberto pela sombra e alagado pela chuva. A ausência seguiu-se nos próximos dias, acompanhada pelas grandes chuvas. Beth se dirigiu para a fazenda do namorado, onde ele se encontrava na cama, incapacitado. Logo em seguida, a verdade cruel e esmagadora foi revelada: Francisco sofria de uma doença degenerativa, estava deixando o mundo aos poucos.

Os próximos dias foram marcados pela presença indispensável de sua amada, quando passavam horas a conversar. Infelizmente o amor não foi capaz de curar a doença do rapaz. Suas cinzas foram lançadas no campo florido onde tantos versos e juras se espalharam, como era de seu desejo. Elizabeth, desolada, sentiu seu mundo desmoronar… Em uma manhã, cavalgou até o final do campo rumo ao lugar preferido dos dois, de onde, juntos, avistaram tantos dias amanhecerem. Como se fosse uma oração, recitou seus últimos versos dedicados a Francisco. Tomou coragem, lançou-se do penhasco, imaginando voar nas alturas, rumo ao encontro eterno de seu amado. A partir desse trágico acontecimento, naquela região, o campo nunca mais floriu. Conversas, sussurros e murmúrios apaixonados nunca mais foram ouvidos. Os risos, poemas, abraços e beijos se perderam para a eternidade, nos vãos misteriosos da Serra da Canastra…

* Essa e outras 100 histórias regionais estão reunidas em um livro organizado por Maria Mineira. São textos de seus alunos do 3º ano do Ensino Fundamental à 3ª série do Ensino Médio, ano de 2018. Com o apoio da Cooperativa Educacional de São Roque de Minas foi lançado em 2019: “ Letras da Canastra- Cooperativa Educacional Escrevendo História”. Para adquirir um exemplar entre em contato pelo e-mail: [email protected]