Destaques Meio Ambiente

Incêndio na Canastra

20 de agosto de 2020

O incêndio no Parque Nacional da Serra da Canastra, em São Roque de Minas, chegou ao 5º dia ontem. O fogo devastou até a manhã de ontem, cerca de 14 mil hectares o que corresponde a 7% do parque. A área atingida equivale a mais de 18 mil campos de futebol. O fogo começou no sábado, 15, para o chefe do Parque, Carlos Henrique Bernardes, o incêndio pode ter sido provocado intencionalmente e de forma criminosa.

O que você também vai ler neste artigo:

  • Novos focos
  • Mobilização
  • Monitoramento por drone
  • Contigente

Novos focos

O comandante das operações na Canastra e capitão dos bombeiros, Augusto Pereira, disse nesta quarta, que foram realizados dois sobrevoos na região e mais focos de incêndio foram encontrados. “Foi identificado um foco na região conhecida como Jacó e Vão dos Cândidos, onde foi empenhada uma equipe por meio de transporte aéreo. Dentre as observações feitas, também foram empenhadas equipe na região conhecida como Gurita. Em um segundo sobrevoo, por volta das 10h30 de ontem, foram identificados alguns outros focos, com pontos de atenção no local conhecido como Alto da Maria Concebida”, disse o comandante.

Mobilização

Ainda segundo o comandante, 21 militares estão em campo na linha de frente do combate dos focos. Outras equipes, aguardam no local e serão empenhadas conforme se fizer necessário. “A situação no parque, no atual momento, é considerada estável, carecendo ainda do combate destes focos que foram identificados em ações de monitoramento. Os efeitos foram minimizados devido às ações preventivas das equipes do parque e ao manejo integrado do fogo que foi realizado em data prévia. Isso permitiu uma minimização dos incêndios nesta época”, completou.

Monitoramento por drone

De acordo com os militares, um drone também sobrevoou a área na noite desta terça-feira para monitoramento dos pontos quentes e planejamento das operações do dia seguinte. Os bombeiros informaram que as frentes de trabalho denominadas Jacó e Vão dos Cândidos são o principal foco de combate às chamas. O objetivo é que o incêndio não ultrapasse um riacho e se estenda para outra área o que, na avaliação dos militares, “seria quase incontrolável”.

Contigente

Em nota, o Instituto Chico Mendes (ICMBio), responsável pelo Parque da Canastra, disse que outras frentes de incêndio identificadas em um sobrevoo foram nas regiões da Serra do Cemitério e Zagaia. Segundo o ICMBio, mais de 70 pessoas atuam no combate ao incêndio. Para conter as chamas, as equipes trabalham com abafadores, bombas costais, facões, foices, sopradores e pinga-fogo, enquanto a aeronave, além de realizar o traslado das equipes, também tem realizado combate aéreo, lançando água nas linhas de fogo. A equipe conta com o apoio de brigadistas dos Parques Nacionais da Serra do Cipó, Serra dos Órgãos e do Caparaó, além do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF/MG).