Destaques Geral

Homem veste de Santa Rita para cumprir promessa na companhia de crianças e mulheres no novo Santuário

Adriana Dias

26 de Maio de 2022

O pintor Ferdinando Luís Viana vestido com o hábito de freira igual ao que Santa Rita de Cássia usava

CÁSSIA – Dos mais de 10 mil devotos que estiveram no domingo, 22, para a cerimônia de inauguração do maior santuário dedicado à Santa Rita de Cássia no mundo, apenas um homem foi visto vestido com o hábito da freira, como forma de pagar promessa. Inúmeras crianças e mulheres usavam as vestes e carregavam as rosas vermelhas características da santa das causas impossíveis. Mas, Ferdinando Luís Viana se destacava dentre os demais.
Mesmo sem saber que seu nome é o sobrenome do marido de Santa Rita, Paolo Ferdinando, o mineiro natural de São Tomás de Aquino, o pintor Ferdinando Luís Viana, 25 anos, contou com muita naturalidade sobre estar no Santuário de Santa Rita de Cássia vestido de freira.

Ferdinando e sua irmã Camila se vestiram pela primeira vez neste ano na inauguração do Santuário como forma de pagamento de uma promessa que fizeram. O jovem preferiu não explicitar o pedido, mas garantiu que a graça foi alcançada e que por 3 anos eles vão se vestir de Santa Rita e ir até a igreja para agradecer. “Sobre a experiência que vivenciei no domingo, dia de Santa Rita, foi maravilhosa, não tenho palavras para descrever a sensação que senti, é uma emoção que não cabe dentro de mim”, disse à reportagem.

Questionado se sofreu algum tipo de preconceito ou olhares maldosos por estar vestido de freira, um homem de barba, Ferdinando contou que de forma alguma. “Fui muito bem acolhido por todos, só tenho a agradecer.

Para Francieli Batista de Oliveira, 40 anos, o nascimento da filha Maria Izabel Oliveira Carvalho, que tem hoje 2 anos e 5 meses é um milagre que ela atribui à Santa Rita de Cássia. Ainda jovem, Francieli teve dois abortos espontâneos, ambos no quinto mês de gestação por ter uma incompetência no colo do útero.

“Aos 37 anos engravidei e tive uma gestação complicada. Pelo fato de ter a incompetência istmocervical – que é quando o colo do útero tem uma abertura indolor -, fui submetida a um procedimento chamado cerclagem, uma sutura cirúrgica em bolsa, realizada sob anestesia, geralmente indicada logo após o terceiro mês de gestação com objetivo de manter o colo uterino fechado até o final da gravidez. Tive que ficar 24 horas em repouso. Aos seis meses da gravidez o ultrassom apontou que a cerclagem estava correta, porém, o bebê estava passando por sofrimento fetal. Portanto, desde o início da gravidez eu pedia a Santa Rita pela vida da minha filha”, contou Francieli.

Ainda conforme a cassiense, ela e toda a família com amigos rezavam para que a santa das causas impossíveis operasse esse milagre da vida de Maria Izabel. “A minha filha nasceu por parto prematuro, com apenas 29 semanas com o peso de 995 gramas, medindo 34,5 centímetros. Ela lutou durante 71 dias na UTI em Franca. E, nas minhas orações eu pedia pela sua vida e como promessa que eu iria vesti-la durante sete anos com as vestes de Santa Rita e a levaria às missas. Santa Rita operou o milagre e comecei a cumprir no ano passado, porém como foi pandemia não a levei à igreja, mas vestida ela assistiu à procissão da porta de casa. Já neste ano foi muito especial, pois pode vir à missa, vestida de Santa Rita e na inauguração do Santuário, durante a missa solene das rosas”, disse feliz a mãe da santinha ritinha que se mostrava feliz segurando um botão de rosa vermelha.
Naiara Molina é mãe de Alice Molina que estava vestida de Santa Rita. Natural de Franca elas estiveram na missa das rosas pagando promessa. “Alcançamos uma graça muito grande. Eu engravidei durante a pandemia e eu prometi que se estivéssemos bem, a Alice se vestiria e viríamos à igreja”, informou.

No caso de Daniele de Melo Beletato e da filha Maria Júlia, de 2 anos e 8 meses, de Morro Agudo/SP, a avó quem fez o pedido para que neta e bisneta cumprissem a promessa neste ano, ambas vestidas como a santa. “Minha avó não contou qual foi o pedido para minha filha, mas, pelo fato de ela ter espectro autista, imagino que tenha sido neste sentido. E pra mim era para conseguir emprego e consegui passar em dois concursos. Minha mãe, Maria Aparecida Anacleto de Melo é devota, vem todos os anos, traz excursão e pra mim é muito importante estar aqui vestida representando a fé”, explicou.

Mariane Rodrigues Nascimento, de 12 anos, de Patrocínio Paulista, cumpriu neste domingo o 10º ano em que se veste de Santa Rita. “Por conta da pandemia tivemos que parar por dois anos de vir até a igreja, mas agora consegui finalizar a promessa e de forma especial, na inauguração do Santuário”, disse.