Destaques Esporte

Futebol com torcida só após vacina, diz médico

24 de julho de 2020

Pesquisadores já haviam apontado o fato. / Foto: Divulgação

SÃO PAULO – A pandemia do novo coronavírus fez com que, após meses de paralisação, o futebol retornasse com medidas de segurança exigentes e sem torcedores na arquibancada. Com a volta do Brasileirão marcada para 8 de agosto, Jorge Pagura, presidente da Comissão Médica da CBF, revelou que as partidas só devem ter torcida novamente após a descoberta da vacina do novo coronavírus.

“[Futebol com torcida] Acho que só depois da vacinação e com vacina comprovada”, afirmou.
“É uma doença muito nova. Todo mundo sabe. Eu ouvi uma frase, que não é minha, mas que diz: ‘Futebol sem torcida não é nada, mas hoje é tudo’. Precisamos retornar, mas o retorno precisa ser com responsabilidade”, finalizou.

Além de médico da CBF, Jorge Pagura é o coordenador do “Guia Médico para o retorno das atividades do futebol brasileiro” e responsável pelas estratégias da entidade. Alguns estaduais já retornaram em julho, enquanto o Brasileirão terá a 1ª rodada iniciada no dia 8 de agosto, com três jogos, e finalizada no dia seguinte, com sete partidas.

Esse tópico já foi discutido anteriormente entre pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que apontaram que o retorno dos torcedores aos estádios de futebol do Brasil, sem maiores riscos, ainda pode demorar para acontecer. De acordo com o estudo divulgado, a presença da torcida nas arquibancadas só deve acontecer após as descobertas de uma vacina ou de um medicamento retroviral contra a covid-19.

Os autores do estudo são o professor Fernando Mezzadri e o advogado Paulo Schimitt, coordenador da comissão de integridade da Federação Paulista de Futebol (FPF). Mezzadri é doutor em educação física e lidera o projeto de pesquisa “Inteligência Esportiva”, uma parceria entre o Centro de Pesquisa em Esporte, Lazer e Sociedade (CEPELS), da UFPR, e a Secretaria Especial do Esporte, do Ministério da Cidadania.

A retomada total das atividades esportivas e competições só será possível com a existência de medicamento retroviral eficaz ou vacina que previna e proteja tanto os praticantes/atletas quanto os espectadores”, apontam os autores no estudo.

Tanto os atletas quanto as pessoas (torcedores) devem fazer os testes como uma forma de controle e precaução, mas a volta aos treinamentos normais e às competições ainda não devem ocorrer agora. Consideramos muito precipitado o retorno às competições pelo atual estágio da pandemia no Brasil”, disse o professor.

Os pesquisadores chegaram a estas conclusões a partir das orientações das autoridades mundiais na área de saúde, epidemiologia e higiene e também a partir de um ciclo de debates semanais realizados no canal do YouTube do grupo.