Destaques Folha Motors

Fome de vender

1 de outubro de 2020

Com o Territory, a Ford planeja conquistar uma fatia do apetitoso mercado dos utilitários esportivos médios. / Foto: Divulgação

Desde que apareceu pela primeira vez no Brasil, no Salão do Automóvel de São Paulo de 2018, o Territory deixou evidente a disposição da Ford de competir de verdade entre os utilitários esportivos médios. Trata-se de um dos segmentos de mercado que mais cresceram e, nos últimos anos, é dominado com folgas pelo Jeep Compass, seguido de longe por modelos como o Volkswagen Tiguan, o Chevrolet Equinox, o Kia Sportage, o Caoa Chery Tiggo 7, o Peugeot 3008 e o Mitsubishi Eclipse Cross.

Ou seja, todos veículos com muitos equipamentos e alto valor agregado, que oferecem às montadoras oportunidades de margens de lucros mais atraentes em comparação às obtidas entre os compactos, nos quais o preço final é um valor mais preponderante. E recuperar a lucratividade é fundamental para a indústria automotiva brasileira nestes tempos de pandemia da Covid-19 e vendas apáticas. Além do design imponente, a Ford pretende mostrar ao consumidor brasileiro que seu mais novo modelo traz outras credenciais, como generoso espaço interno e conforto, tecnologias de assistência ao motorista e bastante conectividade.

O Territory foi desenvolvido em parceria com a Jiangling Motors Corporation (JMC). A fabricante chinesa tornou-se mundialmente famosa em 2015 de uma forma pouco edificante, ao lançar o Landwind X7, uma “versão genérica” do Land Rover Evoque. O modelo foi produzido até março de 2019, quando um tribunal chinês decidiu que o X7 copiava cinco elementos de design exclusivos do Evoque e ordenou o fim da produção e uma compensação financeira à Jaguar Land Rover. Mas os tempos em que a indústria automotiva chinesa imitava os produtos alheios parecem ter ficado para trás. Agora, o Territory chega com a “chancela” da Ford e a responsabilidade de representar as tradições da marca norte-americana em SUVs. Produzido na fábrica chinesa de Xiaolan, o Territory desembarca no Brasil como modelo 2021 em duas versões, SEL e Titanium, ambas com motor 1.5 Turbo EcoBoost GTDI a gasolina, de 150 cavalos e transmissão automática CVT.

Em termos de estilo, o Territory tem uma presença marcante com elementos do mais recente design de SUVs da Ford, como a característica grade dianteira trapezoidal. O capô alto, o entre-eixos longo e a traseira curta desenham um perfil dinâmico. Os faróis, as luzes diurnas e as lanternas de leds reforçam uma assinatura luminosa tecnológica. Apliques na parte inferior dos para-choques e uma faixa escura que contorna toda a base da carroceria realçam a robustez. As caixas de rodas são projetadas para fora e o nome “Territory” aparece na traseira, em grandes letras cromadas. A versão SEL vem com rodas de liga leve de 17 polegadas e pneus 235/55 R17, enquanto a Titanium se diferencia visualmente pelo teto pintado de preto, pelas rodas de liga leve de 18 polegadas com pneus 235/50 R18, pelas maçanetas cromadas e pelos retrovisores com luzes de aproximação e rebatimento elétrico.

A distância de entre-eixos, de 2,71 metros, é a maior da categoria de SUVs médios no Brasil. Com 1,93 metro de largura (sem espelhos) e comprimento de 4,58 metros, a Ford afirma que o novo SUV é líder em espaço interno e conforto para os passageiros. Segundo a fabricante, nos bancos da frente, ele é o maior em espaço do assento ao teto e vão livre para a cabeça, e no traseiro, é maior que os competidores diretos em espaço para as pernas e para os joelhos.

No interior, com console central elevado e teto solar panorâmico elétrico de série, a versão SEL vem em um tom escuro, na cor Black Charcoal, e bancos com revestimento premium. O banco traseiro, além de um descansa-braço rebatível com porta-copo, conta com saídas do ar-condicionado automático digital e entrada USB. Já a Titanium tem interior claro, uma tendência em alta no segmento premium, parcialmente em couro, com um sistema de aquecimento e resfriamento para os passageiros da frente. Apliques de textura amadeirada reforçam requinte e porta-objetos de vários formatos contribuem para a conveniência a bordo.

Conectividade é um tema particularmente valorizado pelos consumidores de SUVs médios, e o Territory não quer fazer feio nesse aspecto. Sua central multimídia Sync Touch, desenvolvida exclusivamente para a América do Sul, tem a maior tela da categoria, de 10,1 polegadas, modos de exibição personalizados e conexão sem fio com Apple CarPlay. O carregador sem fio para celular no console, com a tecnologia “Qi” que permite dois modos automáticos de carregamento, é outra exclusividade entre os principais competidores.

O Territory é o único entre os rivais diretos com um modem embarcado para acesso e comando remoto do veículo, usando o aplicativo FordPass no celular e o novo sistema FordPass Connect. Ele permite trancar e destravar portas, dar partida acionando o ar-condicionado, checar a pressão dos pneus e o nível de combustível e localizar o veículo remotamente, além de receber alertas de funcionamento do veículo, de acionamento do alarme e dar acesso ao manual do proprietário digital. Todos esses serviços do FordPass Connect serão disponibilizados gratuitamente para os proprietários durante o primeiro ano de uso – no entanto, a fabricante não informa qual será o preço do serviço após esse período.