Destaques Moda

Festlingerie: solidariedade e autoestima

10 de setembro de 2020

Empresários apostam em diferenciais que ajudam a aumentar a autoestima feminina. / Foto: Divulgação

A 16º Festlingerie Juruaia, que neste ano será realizada 100% on-line pelo Sebrae Minas e pela Associação Comercial e Industrial de Juruaia (Aciju), entre os dias 21 a 26 de setembro, vem com muito charme, brilho, conforto e solidariedade. Devido à pandemia causada pelo coronavírus, a maioria dos empreendedores está investindo em diferenciais para tornar os momentos em casa ainda mais agradáveis. Os interessados podem acessar o site www.festlingeriejuruaia.com.br.

Entre os empreendedores que participam da feira, a necessidade de reinvenção no jeito de vender e aumentar os ganhos tem gerado boas ideias para quem revende e para quem compra. De acordo com o gerente da Regional Centro-Oeste e Sudoeste do Sebrae Minas, Leonardo Mól, as modas íntima, praia, fitness e pijamas ganharam ainda mais destaque devido à necessidade de isolomento social.

Isso fez com que os empreendedores não só aumentassem suas vendas, mas também a criatividade. O resultado é que em Juruaia e região, em especial, percebemos um movimento positivo que tem elevado consideravelmente os lucros e ampliado a corrente de solidariedade entre empresários, revendedores e consumidores”, explica Mól.

Sutiã com enchimento

De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), 70% das pacientes diagnosticadas com câncer de mama precisam recorrer à mastectomia (cirurgia de remoção da mama) para salvar suas vidas. Foi pensando nesses dados, e com o objetivo de aumentar a autoestima feminina, que a proprietária da marca Antonella de D´Piza, Renata de Souza Piza, que trabalha com moda plus size, iniciou também a fabricação de sutiãs para essas mulheres.

Aciju também pensa no revendedor

Como a gente não sabe de que lado a mulher fez a mastectomia, colocamos o enchimento dos dois lados para que a pessoa possa preencher como preferir. A prótese, além de ser muito pesada, é muito cara. Já o sutiã tem um valor mais acessível. No entanto, sabemos que nem todas as mulheres submetidas a esse tipo de cirurgia conseguem comprar ao menos o sutiã. Então, quando uma revendedora ou outra pessoa que está comprando nossa peças relata casos especiais, a gente doa”, explica Renata.

O presidente da Aciju, José Antonio da Silva, relata que com o aumento das vendas, em meio à pandemia, a maioria dos empresário do ramo de modas íntima, praia, fitness e pijamas decidiu investir e estimular também os revendodores.

Muitos empreendedores da cidade e da região têm trabalhado para incentivar pessoas que perderam seus empregos a encontrar novas oportunidade na revenda de lingeries e peças do segmento. Com isso, temos percebido um certo equilíbrio na economia local”, esclareceu ele.