Destaques Variedades

Festival de Gramado pela tevê

Por Luiz Zanin Oricchio/ Especial

20 de agosto de 2020

O mais tradicional festival de cinema do Brasil terá os filmes e a cerimônia de premiação transmitidos pela TV Brasil. / Foto: Divulgação

Transmissão dos filmes concorrentes pelo Canal Brasil, debates e cerimônia de premiação online – tais são as novidades da 48ª edição do tradicional Festival de Cinema de Gramado. Forçado pela pandemia, foi a fórmula encontrada pelo evento para não cancelar a edição de 2020. E, aproveitando a ocasião, “reinventar-se”, que é a palavra da moda. No caso, significa tornar disponível em todo território nacional um festival de cinema que era privativo daqueles que se deslocavam à bucólica serra gaúcha nas edições normais.

Na coletiva de imprensa, também realizada online, foram anunciados os concorrentes mais aguardados – os longas em competição, nacionais e estrangeiros. Os curtas-metragens nacionais e os curtas gaúchos já haviam sido divulgados. Serão 19 curtas gaúchos, que competem pelo troféu Assembleia Legislativa e disponibilizados pelo streaming do Canal Brasil. Além deles, há a competição nacional, com 14 curtas nacionais, oriundos de oito Estados da federação. “O curioso é que alguns já trazem o tema da pandemia”, disse o curador Marcos Santuário, presente à coletiva de imprensa.

Para os longas-metragens, desde de 1992 Gramado adota a fórmula mista, mesclando produções brasileiras e estrangeiras. A seleção de longas foi escolhida por Santuário, pelo apresentador Pedro Bial e a atriz argentina Soledad Villamil. É a nova trinca de curadores de Gramado. A lista completa dos homenageados deste ano também foi divulgada: Troféu Oscarito: Marco Nanini. Troféu Eduardo Abelin: Laís Bodanzky. Kikito de Cristal: César Troncoso. Troféu Cidade de Gramado: Denise Fraga.

Inéditos

Marcos Santuário destacou que todos os concorrentes são inéditos no Brasil. Para chegar à lista final dos selecionados, 146 longas brasileiros e 93 estrangeiros foram examinados. O curador falou sobre alguns dos filmes presentes. A começar pelo novo longa do mitológico diretor Ruy Guerra, Aos Pedaços. Guerra, para quem não lembra, é autor de Os Fuzis, um dos clássicos do Cinema Novo e um dos mais inventivos cineastas do País.
Santuário destacou também a presença feminina na seleção.

“Cibele Amaral, diretora de Brasília, faz um drama muito forte e feminino, falando sobre normalidade e limites comportamentais“, disse.

Falou também da presença do pernambucano Camilo Cavalcante, que, com King Kong em Assunción, “traz um road movie muito interessante entre Paraguai Bolívia e Brasil para contar a história de um assassino de aluguel em busca de sua filha”. Santuário ainda chamou a atenção para dois documentários presentes na competição de longas brasileiros, O Samba é primo do Jazz e Me Chama que eu Vou, ambos tendo como personagens ícones do universo musical brasileiro como Alcione e Sidney Magal. “São bastante intensos”, disse. O festival começa dia 18 de setembro. A cerimônia de premiação, 26 de setembro, também será transmitida ao vivo pelo Canal Brasil e – novidade deste ano – pelo canal 500 da Claro.