Destaques Turismo

Fernando de Noronha ganha site de reserva de pousadas com várias regras para turismo

31 de março de 2021

O destino segue aberto para o turismo, mas exige dos visitantes várias providências. / Foto: Divulgação

Na busca por hotel em Fernando de Noronha, um novo recurso está disponível para o planejamento de viagem. A Associação das Pousadas de Fernando de Noronha (APFN) lançou um site de reserva com 25 participantes. Atualmente, o arquipélago está fora das restrições definidas pelo governo de Pernambuco. O destino segue aberto para o turismo, mas exige dos visitantes o exame PCR feito 48 horas antes do embarque e a assinatura de termo de cumprimento de regras de protocolos de saúde.


O que você também vai ler neste artigo:

  • As regras
  • Exames de saúde

O objetivo da associação é manter um canal direto com os viajantes para tentar atender às expectativas deles e evitar que sejam vítimas de transtornos causados por pousadas irregulares, segundo a APFN. As 25 pousadas, informa a entidade, possuem certificados de segurança e dos bombeiros e selo emitido pela administração de Fernando de Noronha.

No site da APFN, é possível conhecer um pouco sobre as 25 pousadas e, pelo link do Google Maps, saber da sua localização. Para fazer uma reserva, basta preencher as datas de entrada e partida, o número de adultos e crianças e a pousada escolhida. O viajante, então, é encaminhado para a página de reservas da pousada escolhida. A página da associação reúne ainda informações gerais sobre o arquipélago, atividades na natureza e links para os sites oficiais da administração do destino e do parque nacional marinho onde ele se encontra.


As regras

Estamos em pandemia. Fique ligado nos números da covid-19 e nos protocolos de segurança de saúde para não contrair a doença nem acabar agravando o problema em outras regiões. Atualmente Noronha está fora das restrições definidas pelo governo de Pernambuco, Estado do qual faz parte o arquipélago. De qualquer forma, fique atento às exigências para a entrada em Fernando de Noronha.

O administrador do arquipélago, Guilherme Rocha, me contou na época que estavam aproveitando a retomada do turismo em Noronha para ajustar a quantidade de viajantes recebidos e diminuir o total de voos para lá. O plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) de Fernando de Noronha, de 2017, estabelece um máximo de 89 mil visitantes por ano, mas o destino já tinha ultrapassado os 100 mil em ocasiões de alta temporada. Além de Noronha ser patrimônio natural da Humanidade (declarado pela Unesco em 2001), é preciso proteger a população da ilha, argumentou Rocha.

Na página sounoronha.com, há o link para pagar a taxa ambiental (processo agora realizado apenas online) e aceitar o termo de compromisso do viajante em cumprir os protocolos definidos pela Vigilância local. Lá também dá para saber as regras para turismo em Noronha que estão valendo. Neste momento, além da taxa e do termo de compromisso, o viajante precisar fazer download do aplicativo Dycovid – Dynamic Contac Tracing e deixá-lo ativo durante todo o período na ilha – eles usam para controlar a propagação da covid-19 por lá.


Exames de saúde

Quem não teve covid: Faz um exame PCR 48 horas antes da data da viagem e apresenta no embarque, no aeroporto de origem. Uma cópia impressa tem de ser entregue no desembarque em Noronha. Um outro exame é feito na partida por amostragem; 30% dos passageiros sorteados de cada voo ou embarcação realizam o teste PCR. Isso não segura o visitante na ilha, só serve para a administração acompanhar uma possível contaminação comunitária no local.

O exame antes do embarque é pago pelo viajante, e o governo de Pernambuco assume o custo do teste na saída do destino. Quem já teve covid: Apresenta no embarque o exame PCR com mais de 20 dias e menos de 90 dias ou exame sorológico quantitativo de IgG com menos de 90 dias.