Agronegócio Destaques

Falta de chuva atrasa plantio de soja na região

Por Ézio Santos / Especial

9 de outubro de 2020

Os agricultores estão na expectativa de que a chuva chegue logo para preparar a terra e colocar as plantadeiras. / Foto: Divulgação

DELFINÓPOLIS – A estiagem prolongada na região já começa a deixar os produtores de soja preocupados em relação ao início do plantio, que normalmente, nesta época do ano, já está em andamento. Na região, Delfinópolis é o segundo maior produtor no Sul de Minas. De acordo com Luiz Otávio Andrade Borges, agrônomo e servidor da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), os agricultores estão na expectativa de que a chuva chegue logo para preparar a terra e colocar as plantadeiras em funcionamento.

Hoje, o que se vê são as palhadas que sobraram da safra de milho. Assim que o terreno ficar suficientemente molhado, começará o preparo aplicando herbicida dessecante para, depois, lançar a semente de soja através do plantio direto, ou seja, sem o uso do arado e grade”, explicou.

O gerente de produção da unidade de Delfinópolis do Condomínio Agrícola Santa Izabel, o engenheiro agrônomo Raul Madeira Cintra, diz estar preocupado com a estiagem.

Infelizmente, a chuva está demorando a vir e pode comprometer todas as lavouras no município e provocar quebra brusca na safra 2020/21, porque não se usa o sistema de irrigação na plantação de soja. Todos dependem tão somente da água que cai do céu, e esperamos que ela chegue muito em breve”, disse.

Com sede no interior de São Paulo, os proprietários do Condomínio arrendam 2,7 mil hectares em Delfinópolis, onde cultivam soja e milho ao longo de cada ano. As safras ocorrem entre fevereiro/março e agosto/setembro, respectivamente. O período normal, desde o plantio até a safra de soja, gira em torno de 110 dias. Em relação ao milho, são cerca de 140 dias.


Área plantada deve aumentar

DELFINÓPOLIS – Em Delfinópolis, há 27 agricultores preparados para o plantio da soja. Em 2020, área a ser cultivada é de 12,8 mil hectares, mil a mais do que no ano passado. A safra 2019/20 rendeu 43,9 mil toneladas, e a expectativa para 2020/21 é de 48,4 mil toneladas, o que corresponde a um aumento de 10%. De acordo com Luiz Otávio Andrade Borges, agrônomo da Emater, as regiões rurais no município com as maiores áreas de plantação de soja são: Vale da Babilônia, Ponte Alta, Olhos D’água, Mata e Praia Vermelha. Os principais destinos dos grãos são o mercado exterior, a fabricação de ração animal e óleo vegetal. Além de Delfinópolis, Passos, Cássia e São João Batista do Glória também registram quantidades elevadas de lavouras de soja.