Destaques Geral

Estudo aponta carência na Saúde

1 de Maio de 2020

PASSOS — De acordo com um estudo publicado pelo Instituto Aquila, 27% dos municípios da região têm condições financeiras para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, porém, apresentam carência no setor de saúde. Ainda conforme a publicação, das 853 cidades de Minas Gerais, 230 podem apresentar situação crítica em relação à covid-19.

O levantamento foi baseado em indicadores sociais, econômicos e de saúde de todo o território brasileiro. Deste modo, para o resultado, foram levados em consideração dados do governo federal sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) e as condições econômicas, tanto das administrações municipais, quanto dos habitantes de cada município.

Após o levantamento dos dados, as cidades receberam três diferentes indicadores, os quais indicam que, por razões financeiras e de infraestrutura, podem sofrer mais ou menos para enfrentar a nova doença.

Capitólio, Carmo do Rio Claro, Cássia, Fortaleza de Minas, Jacuí e São Roque de Minas estão entre as localidades que, segundo a consultoria, possuem condições financeiras para enfrentar a covid-19, mas são carentes nas questões de saúde. Em entrevista à Folha, os chefes do poder Executivo falaram a respeito das expectativas em relação aos efeitos da doença nos municípios e sobre os aspectos do estudo elaborado pelo Instituto Aquila.

“Neste momento, tudo é muito variável. Não sabemos quanto tempo pode durar os efeitos da pandemia e, até mesmo, se teremos condições financeiras futuras, caso ocorra um grande índice de infecção. Hoje, temos uma situação muito tranquila em comparação a outros locais, mas tudo pode mudar, nenhum município está totalmente preparado, uma vez que nada é definitivo”, pontuou Roldão de Faria Machado, prefeito de São Roque de Minas.

Em Cássia, o prefeito Marco Leandro Almeida Arantes, o Kito Arantes, discordou do índice. “Não posso falar muito sobre o estudo, já que não tenho conhecimento sobre ele. De modo geral, Cássia tem ido bem, inclusive, o nosso hospital regional atende Delfinópolis, Ibiraci, Capetinga e Claraval”, disse.

No caso de Capitólio, o prefeito José Eduardo Terra Vallory lembrou que a estrutura pode variar de acordo com o que realmente foi observado na pesquisa. “Depende muito do que foi analisado. Caso o estudo se refira às condições básicas de atendimento, eu terei que discordar do índice, pois, em Capitólio, temos estrutura suficiente para os primeiros atendimentos. Caso o estudo se refira aos aspectos estruturais, tal como números de leitos de UTI, é claro que o resultado está certo, porque não temos este tipo de estrutura no município, até porque, não é nem recomendado que uma cidade pequena mantenha este tipo de leito”.

De maneira oposta, Capetinga, Itamogi e São João Batista do Glória foram registradas na pesquisa como as localidades da região que apresentam condições de saúde, mas que são dependentes financeiramente de outros recursos. As demais 13 cidades, o que corresponde a 59,09% dos municípios, foram pontuados como preparadas para enfrentar a pandemia.

Aquila

O Aquila é uma consultoria internacional que oferece soluções gerenciais de excelência global, focadas na melhoria dos resultados de seus clientes. O instituto atua em 20 países da América, Europa, África e Oceania, e possui mais de 1.200 projetos em carteira, apoiados por escritórios no Brasil, Colômbia, Austrália e Suíça. Mantém um Centro de Estudos em Zurique, onde são conduzidas pesquisas e desenvolvidas inovações em gestão.