Destaques Do Leitor

Estados e municípios em crise

1 de julho de 2020

Após 20 anos de discussão e em plena pandemia, quando a maioria preocupa-se com a própria saúde, os “mais brasileiros” são aquinhoados com a estabilidade de emprego e de seus rendimentos. Enquanto 11,5 milhões de trabalhadores comuns tiveram até 70% de redução em seus salários, o funcionalismo não pode, porque a Constituição tem validade de acordo com os interesses corporativos desta casta diferenciada. Até quando teremos de suportar tal desigualdade? Possivelmente, este dinheiro será retirado de outros setores, como saúde, educação, segurança, e nunca dos “mais brasileiros”. Até quando?

Adilson Pelegrino – São Paulo/SP

Supremo

Como se não bastasse o STF tirar do governo federal e passar para os governos estaduais e municipais o controle e a administração da epidemia do coronavírus, agora proíbe Estados e municípios de cortar salários e a jornada de trabalho de servidores, mesmo em caso de grave crise financeira. Será que não passou a hora de a Suprema Corte começar a cumprir o seu papel, que é julgar, ao invés de legislar?

Arnaldo de Almeida Dotoli – São Paulo/SP

Defesa da união

O presidente Jair Bolsonaro mudou, quer união e paz entre os poderes. Aleluia! Que isso se concretize e dure por muito tempo. Intrigas não levam a lugar nenhum. Na Bíblia sagrada, em Provérbios 20:3, diz: ‘Honroso é para o homem o desviar-se de questões’. Em Romanos 14:19 está escrito: ‘Esforcemo-nos em promover tudo quanto conduz à paz e à edificação mútua’. O povo brasileiro, com certeza, está feliz com essa decisão. O país estava entrando num estresse. Bom seria que a turma do ‘fecha-tudo’ não fosse para a Esplanada dos Ministérios, aos domingos, pedir o que a Constituição Federal não permite. Tem muito pedido esquisito. Um domingo em casa é muito bom. Está na hora de hastear uma bandeira branca.

Jeovah Ferreira – Taquari/DF