Destaques Geral

Entre abril e julho, inadimplência cresceu 51,01% em Passos

29 de julho de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS – Dados fornecidos pela Associação Comercial e Industrial de Passos (Acip) apontam que de abril a julho deste ano houve um aumento de 51,01% no número de cidadãos que tiveram seu nome negativado no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Conforme o levantamento, 460 novas pessoas ficaram inadimplentes no comércio passense.

O sistema contabiliza as informações de todas as empresas associadas à Acip, que conta com um setor especializado em cobranças, com o objetivo de recuperar os recursos monetários e voltar a negociar com os clientes que deixam a condição de inadimplência. De acordo com o Serviço de Recuperação de Crédito (SRC), mais da metade dos débitos lançados na plataforma refere-se a empreendimentos dos setores de roupas, calçados e utilidades de telefonia
móvel.

O presidente da Acip, Renato Mohallen Santiago, explica que o impacto da crise econômica já era sentido antes da pandemia e que, sem o benefício de R$ 600 referentes ao auxílio emergencial, o número de endividados seria ainda maior.

Grande parte da população está inadimplente e isso é sentido em todo o país. A contribuição do governo federal está ajudando muito, porque as pessoas conseguem um fôlego junto aos débitos e, com esse dinheiro, a prioridade é a compra de insumos de necessidades básicas, como itens de higiene e alimentação”, disse.

Em publicação em seu endereço virtual, o serviço Boa Vista – SCPC divulgou o Indicador de Movimento do Comércio, que mostra que, no balanço do encerramento de julho, as vendas de varejo aumentaram 12,6% em todo o país. Já no índice acumulado do ano, a queda registrada foi de 8,5%, enquanto nos últimos 12 meses, houve redução de 3,3%.

No Brasil, o índice de negativados é alarmante e também segue em alta durante os meses de isolamento social, já que mais de 60 milhões de pessoas não estão em dia com seus débitos. O número equivale a cerca de 40% da população adulta do país. A variação mensal de devedores é a maior já registrada na história da economia nacional, com crescimento de 1,68%.