Destaques Economia

Energia mais cara?

18 de dezembro de 2020

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reativou o sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz. Dessa forma, a partir deste mês, a bandeira vermelha patamar 2, a mais alta, com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts/hora consumidos, está em vigor. A Aneel informa que a medida é justificada pela queda no nível de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas e a retomada do consumo de energia.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Alteração
  • Bandeira
  • Explicação
  • Registro

Alteração

Em maio, a Aneel havia definido manter a bandeira verde até 31 de dezembro, em função dos reflexos da pandemia, conforme previsto na Resolução 878/2020. Porém, em reunião extraordinária, a agência reguladora determinou a alteração dos valores praticados. Com isso, tanto os consumidores residenciais quanto os comerciais terão despesas maiores com energia elétrica.

Bandeira

Entretanto, apesar da mudança de bandeira ter ocorrido apenas no início de dezembro, muitos consumidores já vinham recebendo cobranças consideradas abusivas. De acordo com a especialista da Proteste, Daniele Nascimento, inúmeros consumidores alegam estar recebendo cobranças elevadas, além do padrão, em faturas a partir de junho, com valores que praticamente triplicaram ou quadruplicaram o consumo médio. “A cobrança questionada se deu pelo fato de ter ocorrido a interrupção da leitura presencial dos medidores, o que gerou o faturamento sobre a média do consumo”, explica.

Explicação

A especialista da Proteste ainda destaca a Resolução 878/2020, que prevê a cobrança conforme uma média aritmética sobre os últimos 12 meses de consumo, mas permite que os consumidores realizem a medição, por meio de fotografias do medidor, para envio do consumo real à empresa. “Essa é uma maneira de garantir a cobrança de acordo com o consumo real.”

Registro

Daniele orienta que os consumidores realizem o registro do real consumo. Caso considerem que possa haver cobrança abusiva, eles devem realizar a contestação da fatura junto à empresa, exigindo a revisão dos valores cobrados e até mesmo uma eventual visita de técnico, para que o medidor seja analisado. Além disso, é importante que o consumidor se atente à necessidade de manutenções na instalação interna, pois pode elevar o consumo. “Eventuais cobranças excessivas devem ser devolvidas. Caso não haja solução, é possível realizar reclamação junto à Aneel, por meio do telefone 167”, alerta Daniele.