Destaques Geral

Empresários protestam por horário estendido em bares e restaurantes

Gabriella Alux/ Especial

16 de junho de 2021

Cerca de 30 proprietários se manifestaram na Avenida Arouca ontem :/ foto por Gabriella Alux

PASSOS – Cerca de 30 empresários do segmento de bares e restaurantes fizeram uma manifestação na Avenida Arouca, nesta quinta-feira, 15, para pedir que o horário de funcionamento seja estendido para o período noturno em Passos. Decreto municipal limita o funcionamento de bares, restaurante se lanchonetes entre 7h e 17h, de segunda a sexta-feira. De acordo com manifestantes, será criada uma associação própria para o setor.

A empresária Aline de Oliveira Moraes, afirmam que as medidas em vigor não atendem o setor, que, segundo ela, possui aproximadamente 850 estabelecimentos no município. De acordo com Aline, o horário de funcionamento permitido favorece apenas o comércio que atua no período diurno e prejudica o segmento noturno.

“O que estamos pedindo é um pouco de dignidade para ser ouvido, para entenderem as nossas necessidades para que possamos trabalhar o quanto antes. Ficar aberto até as 17h não resolve e o delivery também não funciona. Além de já termos feito testes durante um ano e meio de pandemia, nossa jornada de trabalho inicia nesse horário e termina no máximo à 1h. O que a gente não entende, são os critérios que estão utilizando para tudo terminar nesse determinado horário. Tudo que queremos é conseguir trabalhar a mesma quantidade de horas do trabalhador diurno, no período noturno”, disse.

O decreto em vigor também estabelece que o fornecimento e a venda de bebidas alcoólicas fica proibido de segunda a sexta-feira após as 19h, em qualquer estabelecimento comercial, inclusive por delivery.

De acordo com Aline, além das dificuldades em relação ao horário, o movimento também está muito baixo.

“Quando temos condições de trabalhar e todas as vezes que temos que fechar e abrir, o volume é muito alto para um retorno baixo. Estamos cansados desse vai e volta, mesmo porque, tudo que tinha para investir, já foi feito. É impossível que consigamos bancar os custos da empresa há 16 meses, faturando zero. Então, todo o dinheiro que a gente tinha pra investir, já foi embora. Não temos mais condições de fechar, temos que conseguir honrar com nossos compromissos, ter um pouco de dignidade para levar para nossas famílias e funcionários”, disse.

Wallysson Santos Mezencio, empresário e sócio de um bar noturno em Passos, relata que está há mais de 30 dias sem abrir por conta da atual situação de saúde. Segundo ele, mesmo se o decreto permitisse o consumo de bebida, o horário das 22h não favorece já que os clientes costuma chegar ao local por volta das 21h.

“De março de 2020 até março deste ano, apenas de prejuízo acumulado do que tiramos do bolso é um valor em torno de R$70 mil. Se for calcular o que deixamos de ganhar, considerando nosso faturamento de, em média de R$60 mil a R$80 mil mensais e lucro de 20% a 30% do valor, o prejuízo é muito grande. Se eu soubesse que pandemia seria assim, teria reformado o cômodo e entregado ao dono, que aí eu estaria em melhor situação. Hoje, tenho que trabalhar para recuperar aquilo que eu coloquei lá dentro. Nesse último fechamento, como eu trabalho com chopp, minha câmara fria tinha uns 600 litros de cinco ou seis tipos de chopp diferentes que, por terem a validade de 15 dias, tive R$5 mil de prejuízo. Isto é, além dos refrigerantes e cervejas que venceram e petiscos”, afirma.

O proprietário Renato Magalhães Santos também reclama do movimento irregular, do funcionamento instável do delivery, pois nem todos têm o retorno financeiro suficiente com esse sistema de entregas, e a falta de comunicação por parte da administração diante das novas medidas.

“No Dia dos Namorados, por exemplo, ficamos sabendo 24h antes. É um absurdo, pois temos que movimentar produtos, trabalhadores, serviços, limpeza, desinfecção, tudo que é cobrado, mas precisamos de um tempo maior para as adaptações, justamente porque em um bar ou restaurante, as coisas não funcionam do dia para a noite, nós não vendemos apenas bebidas, trabalhamos com comida e, portanto, precisamos planejar”, declarou.

A assessoria de comunicação da prefeitura de Passos informou que o prefeito Diego Oliveira deve receber os empresários para uma reunião, nesta quarta-feira, às 15h.