Destaques Política

Emidinho é o deputado da região com maior gasto na Câmara em 2020

Por Adriana Dias / Redação

22 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS – O deputado federal Emidinho Madeira, do PSB, natural de Nova Resende, é o parlamentar da região com maior gasto na Câmara em 2020. Ele, que já foi deputado estadual por um mandato, utilizou R$404.845,79 no ano que passou e teve o segundo maior gasto entre os 54 deputados mineiros no Congresso. O campeão é Lafayette Andrada, do Republicanos com R$431.362,28.


Você também pode gostar de:

A Folha apurou os gastos dos oito deputados mais votados na região. Odair Cunha, do PT, é o segundo colocado no ranking regional com gastos de R$380.254,66. Domingos Sávio, do PSDB, usou R$370.891,68. Dimas Fabiano, do PP utilizou R$ 343.173,56. O também petista Patrus Ananias gastou R$ 301.057,94. O parlamentar Zé Silva, do Solidariedade utilizou R$295.569,22. Luis Tibé, do Avante, gastou R$286.048,32 e o ex-governador de Minas, deputado Aécio Neves, do PSDB tem no portal da transparência da Câmara dos Deputados o gasto de R$285.743,99.

Ao todo, a bancada mineira gastou R$14,3 milhões em cotas parlamentares. Se comparado com os últimos dez anos – com dados disponíveis para consulta até quarta-feira no site da Câmara –, esse é, em termos nominais (sem a conversão da inflação), o menor valor gasto pela bancada desde 2010. Um fator que pode ter levado a este menor gasto é justamente a pandemia.

Em 2019, o valor gasto foi de R$18 milhões. Ainda em montantes nominais, o maior valor gasto em um ano desde 2010 pelos deputados mineiros foi de R$22,6 milhões, em 2017. Com relação ao deputado que está na dianteira dos gastos – Lafayette Andrada -, a assessoria informou que os gastos são proporcionais ao volume de trabalho e que a Câmara em 2020, durante a pandemia, teve o maior número de projetos aprovados dos últimos tempos.

O deputado Lafayette Andrada utilizou legalmente, de forma transparente, recursos que a Câmara disponibiliza a todos os deputados para o exercício do mandato”.

A Folha tentou falar com a assessoria de Emidinho Madeira, mas, até o final desta edição, não obteve resposta.
Dos 54 deputados mineiros o que teve o menor gasto foi Tiago Mitraud, do Novo, que durante 2020 gastou exatos R$11.907,30 da cota parlamentar. Ao contrário do colega que liderou a lista, o correligionário do governador Romeu Zema economizou mais da metade em relação ao ano anterior, quando teve despesa de R$26,7 mil.

O ex-vereador de BH Fernando Borja (Avante) exerceu a suplência como deputado federal por 66 dias no ano passado. No período, ele gastou mais de R$ 50 mil da cota parlamentar. Fabiano Tolentino (Cidadania), que ficou no cargo por 84 dias, utilizou R$ 29 mil entre janeiro e março de 2020.


Total

O gasto total da Câmara dos Deputados em 2020 foi de R$153 milhões enquanto que em 2019 foi de R$192 milhões com as cotas parlamentares. Este valor não inclui verbas de gabinete – usadas para pagar salários de até 25 secretários parlamentares, que trabalham para o mandato em Brasília ou no Estado de origem.

No ano passado, foram R$65,2 milhões empenhados para esse fim. Os encargos trabalhistas, como 13º salário, férias e auxílio-alimentação dos servidores, por exemplo, não entram nessa conta, já que são pagos com recursos da Câmara. Também ficou fora do valor de mais de R$14,3 milhões os R$720 mil recebidos pelos deputados mineiros como auxílio-moradia.


GASTOS DOS DEPUTADOS MINEIROS EM 2020