Destaques Lingua Portuguesa

Em linguagem: “ninguém sai ileso de ninguém”

POR PROF. ANDERSON JACOB ROCHA.

17 de outubro de 2020

“Ninguém sai ileso de ninguém”. Esse é um enunciado do escritor Rosdet Nascimento, nascido em São Tomé e Príncipe. Quero aproveitar isso para falar das possibilidades que os textos nos trazem. Como já sabemos, ler é processo. Todos os textos com os quais temos contato, é possível construirmos um sentido. Não há um nível zero de entendimento de um texto, bem como, não há nível dez de construção de sentido de um texto. Resumindo, mesmo que não entendamos nada de física quântica, por exemplo, o nosso conhecimento prévio irá nos permitir que possamos ter algum tipo de entendimento, ainda que pequeno. Por outro lado, mesmo que sejamos leitores vorazes, tenhamos feito vários cursos, com vasta experiência em nossa área, não é possível afirmar que o nosso nível de entendimento seja nível dez. Quem acha é nota dez e possui perfeição em tudo que lê ou faz, está na hora de dizer adeus ao planeta, no sentido figurado, claro, né!

Em todos os nossos relacionamentos, profissionais ou pessoais, ou seja, inter-relacionamentos, não há como negar a passagem das pessoas em nossa vida. Seja uma passagem boa, seja uma ruim. Lembro-me de Sigmund Freud, médico neurologista e pai da psicanálise, que estudou sobre o recalque. Mas, não é aquele recalque que conhecemos. Trata-se de uma teoria que fala sobre as memórias afetivas. Elas ficam armazenadas em nosso subconsciente. Elas estão recalcadas.

Quando elas são bem resolvidas, não atrapalham a nossa consciência. Podem até surgir, mas não causam muito dano. Entretanto, quando essas memórias armazenadas não foram bem resolvidas, elas vêm com força para o nosso consciente e embaralham tudo. Nisso, dependendo do grau, podem surgir as neuroses ou as psicoses. Ei, psiu, estou falando de Freud de maneira muito superficial, ok?

Os textos passam por nós, assim como as pessoas. Não tenhamos medo de quaisquer tipos de textos. Sejamos leitores curiosos, leitores pesquisadores. Tenho grande apreço pela filosofia lean, advinda da Engenharia de Produção. Você sabe que sou da áreas das Letras, não é? Adoro filosofia, psicologia e estudo psicanálise. Como posso me interessar pela área da Engenharia de Produção? Já fui professor desse curso na Fesp e na Uemg. Tenho um amigo que é engenheiro de produção. Aprendi com ele que há um método chamado Kaizen que, em japonês, significa “melhoria contínua”. Já li vários conceitos sobre esse método. Mesmo sendo de outra área, faço muitas analogias com a minha área de atuação e utilizo isso em muitas partes de minha vida. Aliás, o meu desejo é ser uma melhoria constante como ser humano, como alguém que quer aprender sempre e ter o propósito de ajuda mútua e do amor.

Dessa forma, para que o nosso processo de comunicação fique cada vez melhor, leia de tudo, faça comparações, analogias, construa histórias ou use algumas prontas para explicar um ponto de vista, faça anotações. No mais, relacione-se com as pessoas de forma saudável, apare as arestas, abra o coração, peça e dê perdão. Perdoar não significa a continuidade do relacionamento de qualquer tipo. Significa paz no coração e felicidade para continuar a vida. Pessoas felizes não incomodam outras.

PROF. ANDERSON JACOB ROCHA. Doutor em Língua Portuguesa. Autor do livro: A Linguagem da Felicidade. Instagram: @prof_andersonjacob. Youtube: Prof. Dr. Anderson Jacob