Destaques Geral

Em crise financeira, Casmil realiza assembleia no dia 26

Por Ézio Santos/ Especial

14 de setembro de 2021

Foto: Divulgação.

PASSOS – A Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) vai realizar, no próximo dia 26, um assembleia geral ordinária, convocada pelo presidente da instituição, Leonardo dos Reis Medeiros. O encontro deve ocorrer em clima tenso em razão da crise financeira que a empresa tem atravessado desde o início de 2020. De acordo com o edital de convocação, a reunião está prevista para começar às 8h30, na fábrica de ração, localizada no número 1.100 da margem direita da rodovia MG-050.

Na tarde da última sexta-feira, 10, um cooperado, acompanhado da advogada Gabriela Amorim Pinheiro, esteve na sede da Casmil na tentativa de ter acesso aos livros e documentos que deverão ser apresentados na assembleia, mas, segundo ela, o pedido foi negado por Leonardo Medeiros.

“Como o estatuto da empresa permite, chegamos lá por volta das 15h, mas houve a negativa do diretor presidente. Meu cliente não quis criar caso, falou que voltará, pois, o presidente pediu para ser avisado com antecedência”, contou.

“Os livros e documentos para a assembleia, em regra, deveriam estar organizados e prontos para o acesso de todo e qualquer cooperado. Estamos analisando um possível pedido na Justiça para suspender a assembleia e resguardar os direitos deles, mas a assessoria jurídica da Casmil afirmou que amanhã (hoje) os cooperados poderão ter acesso aos livros e documentos”, finalizou Gabriela.

O principal objetivo da assembleia, segundo o edital de convocação, é prestar contas dos órgãos da administração, acompanhada do parecer do Conselho Fiscal, compreendendo o relatório administrativo, balanço patrimonial, demonstrativo das sobras apuradas ou perdas decorrentes da insuficiência das contribuições para a cobertura das despesas da sociedade.

Assessor diz que cooperativa tem honrado compromissos

PASSOS – O advogado e assessor jurídico da cooperativa, Tarcélio Santiago da Silveira Júnior, disse que a reunião deveria ocorrer em março de 2021, mas, por vários motivos, dentre eles, a pandemia de covid 19, foi adiada. O assessor disse que a Casmil não está sendo ou já foi liquidada.

“Desde quando a situação chegou ao auge da crise, ano passado, porque não tinha capital de giro, ou seja, dinheiro necessário para a manutenção do negócio que fica disponível em caixa, contas bancárias e outros meios que permitam seu uso no cumprimento das obrigações empresariais, a diretoria foi obrigada a negociar com funcionários e cooperados. Até hoje, a empresa vem honrando com compromissos assumidos em dia. Agora é analisar no geral as pendências financeiras a pagar, inclusive a tributária, dar início às negociações com bancos e fornecedores”, disse.

Para o advogado, a crise financeira da Casmil tem como uma das origens o ano de 2007, quando foi denunciado um esquema de fraude no leite praticado também pela Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Copervale), com sede em Uberaba. O Ministério Público Federal obteve a condenação de 18 pessoas por crime contra a saúde pública (artigo 272, do Código Penal).

“Por causa da Operação Ouro Branco, foi árduo recuperar a confiança dos credores, fornecedores e consumidores. Agora é começar tudo de novo”, disse Tarcélio.

De acordo com a assessoria jurídica, os acordos na Justiça do Trabalho estão sendo cumpridos e a dívida com os cooperadores foi quitada. Segundo Tarcélio, o valor patrimonial bruto da empresa é superior ao da dívida contraída ao longo dos últimos 20 anos.

“Hoje, além da fábrica de ração em operação através da parceria com a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR), a Casmil tem como fonte de renda o posto de combustíveis em São João Batista do Glória, duas lojas agroveterinárias e aluguéis de imóveis. Incluindo o setor administrativo, só em Passos são aproximadamente 40 funcionários registrados”, afirma o advogado.

Consilium Fraudis

Em junho do ano passado, a cooperativa negociou a entrega de parte do parque industrial para o Grupo Rondominas com sede em Porto Velho, em Rondônia, mas, poucos dias depois, Leonardo registrou um boletim de ocorrência em razão de suposto desvio, de cerca de R$400 mil, pelo grupo.

Dia 15 de outubro de 2021, a 3ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Passos realizou a operação ‘Consilium Fraudis’ que culminou na apreensão de computadores, aparelhos celulares e diversos documentos da Casmil. A ação foi coordenada pelo delegado e responsável pela Agência de Inteligência Policial (AIP), Felipe de Souza Capute, o delegado regional adjunto, Danilo Tobias de Oliveira Fernandes, e 12 policiais, entre investigadores e peritos criminais. As apurações do fato ainda estão em andamento.

Em janeiro deste ano, Capute iniciou a apuração quanto à retirada de maquinários da extinta fábrica de produtos lácteos, na Rua Coronel João de Barros. Os equipamentos utilizados no processamento do leite e fabricação de queijos foram implantados no início da década de 1990 e era denominada “nova usina de leite”, com capacidade de captação e processamento de 300 mil litros de leite por dia. A Casmil não se pronunciou sobre o procedimento.