Destaques Do Leitor

É um momento importante

17 de agosto de 2020

Batem às portas de todos os cidadãos passenses as eleições. Dia quinze de novembro é agora mesmo. A todo instante somos visitados, até disputados, pelos inúmeros candidatos a uma vaga na câmara municipal e pelos que pleiteiam a cadeira do executivo. Quanto à cadeira do executivo, isto é, para prefeito, é mais fácil tomar uma decisão, pois os candidatos são poucos e, de modo geral, são conhecidos e o seu passado, a capacidade de cada um e seriedade no trato da coisa pública são mais visíveis, tornando o ato de escolha menos arriscado e os aventureiros facilmente identificáveis.

Ah! E os vereadores! Como selecionar um que possa realmente exercer séria e competentemente tão importante função em prol da coletividade? Quais os requisitos indispensáveis para a escolha? Amizade? Parentesco? Imposição familiar? Pedido de amigos e/ou parentes? Busca de um emprego? É evidente que os vereadores constituem um reflexo de nossa sociedade, não sendo, portanto, certo exigir que os vereadores sejam letrados, com curso superior. Nada disso, pois há uma grande percentagem de cidadãos que tem pouco estudo nesse imenso país e todos querem ter seus representantes.

Mas existem alguns requisitos que devem ser analisados, a saber: Como é o passado do candidato? É uma pessoa disponível em servir? Se casado, é um bom pai (mãe) de família? É um bom profissional em sua área? Já mostrou que é sensível às necessidades da coletividade a que pertence? É capaz de colocar os interesses da comunidade acima dos interesses pessoais ou familiares? (Ah! O nepotismo!). Demonstra capacidade para analisar, avaliar o que é importante para a comunidade? É independente racional e financeiramente? Tem reais possibilidades de eleição? Tem uma visão de futuro para a cidade que vai representar? É um candidato de si mesmo ou encontra respaldo na sociedade?

O momento é muito importante, não use mal este direito que lhe é intrasferível. Seja consciente: dó, pena, “coitado, ele precisa” não devem influir em nosso voto. Quem escolhe mal, não tem direito de ficar por aí, durante quatro anos, a criticar a Deus e todo mundo. Aí o leite está derramado e não adianta chorar.
Um passense vivido e preocupado.

Cóssimo Baltazar de Freitas – Passos/MG