Destaques Geral

Dnit reconhece problemas, mas garante que ponte no Carmo é segura

Por Ézio Santos / Especial

16 de novembro de 2020

Conhecida como ‘Ponte Torta’, pelo formato de uma curva aberta, a única via de ligação asfáltica até Ilicínea tem apresentado aumento gradativo de buracos e dilatações. / Foto: Divulgação

PASSOS – Sem receber serviços de manutenção há mais de um ano, a ponte Professor Antônio Alves de Noronha, localizada na BR-265, em Carmo do Rio Claro, tem gerado muitas reclamações dos usuários em razão de seu estado. Conhecida como ‘Ponte Torta’, pelo formato de uma curva aberta, a única via de ligação asfáltica até Ilicínea tem apresentado aumento gradativo de buracos, dilatações nas juntas do tabuleiro de 343 metros de extensão, além da falta de alguns módulos das muretas que protegem veículos e pedestres nas laterais.

De acordo com informações do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), por meio da Superintendência Regional (SRE) do município de Oliveira, os atuais problemas verificados na passagem de concreto são: largas fendas no tabuleiro e falta de partes da mureta de proteção. Há também o conhecimento de problemas superficiais no pavimento que recobre o tabuleiro da ponte e danos nas muretas de proteção, porém sem danos estruturais.

O órgão nacional mantém, na sua rotina de obras, o Programa de Manutenção e Reabilitação de Estruturas (Proarte), responsável pelo gerenciamento de serviços de manutenção e de reabilitação em Obras de Arte Especiais (OAEs), como pontes, túneis, viadutos, passarelas e estruturas de contenção que integram a malha rodoviária federal em todo o país. Em consulta ao sistema, foi verificado que a última inspeção realizada na ‘Ponte Torta’ ocorreu em 11 de dezembro de 2018, oportunidade em que foi atribuída nota técnica igual a três. O local não se encontra entre os que têm prioridade para a execução de obras de reabilitação em curto prazo.

Conforme a Superintendência, sempre há riscos quando se trata de transporte rodoviário. Especificamente em relação à ponte, por ser de largura curta, há maior fator de risco. Mas o estado de conservação da estrutura, conforme o órgão, não é fator agravante de acidentes, se os veículos transitarem por ela a uma velocidade compatível. Ainda de acordo com informações da SRE, o último contrato de manutenção e conservação do trecho rodoviário em questão foi rescindido há cerca de um ano em razão de decisão judicial. Atualmente, o local encontra-se totalmente desprovido de manutenção.

Ângela Andrade, moradora de Passos que costuma ir até Ilicínea visitar a filha, se diz bastante preocupada com as condições de conservação da ponte. “Sempre estou indo de carro até a casa dela e vice-versa. Dá bastante receio passar de um lado para o outro do lago de Furnas devido às enormes fendas nas juntas de dilatação. Sem contar o sério risco de vir a cortar pneus, danificar amortecedores, suspensão. Depois do asfaltamento entre o trevo do Carmo e Ilicínea, o movimento de veículos pesados aumentou consideravelmente e isso é uma das causas dos problemas”, afirmou.


Proarte

No entanto, há processo de contratação em curso dentro do Dnit e espera-se que até o fim deste mês estejam sendo executados serviços relacionados ao contrato. Há, inclusive, uma ordem de início dos serviços por parte da Superintendência. O contrato de manutenção e conservação do trecho da BR-265 tem previsão inicial de um ano e meio (540 dias).

Estão previstos os seguintes serviços no Proarte: manutenção e reabilitação, que engloba o reforço e/ou alargamento do local, ou seja, procedimentos que necessitam de um projeto executivo para serem realizados. Sobre as medidas a serem tomadas para solucionar os problemas na ponte, com o início dos serviços de tapa buracos e roçadas, parte deles será resolvida. Em relação aos buracos no tabuleiro da ponte, espera-se que até o fim da primeira quinzena de dezembro já tenham sido solucionados. Já os danos na mureta só serão resolvidos com uma contratação de serviços prevendo amplos serviços de manutenção.