Destaques Esporte

Dívidas do Cruzeiro chegam a R$ 800 milhões

6 de julho de 2020

Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – O Cruzeiro tem endividamento líquido de cerca de R$ 800 milhões, dos quais aproximadamente R$ 600 milhões são débitos de curto prazo. O diretor de finanças e controladoria celeste, Matheus Rocha, destrinchou a situação em que o clube se encontra em uma live realizada pela empresa de auditoria BDO Brazil.

A dívida fiscal é a maior do Cruzeiro. Temos débitos na Fifa e trabalhistas, mas as dívidas fiscais e sociais reduziram. Mas, em contrapartida, as dívidas trabalhistas aumentaram porque mandamos tanta gente embora nesses últimos meses e as rescisões ainda estão sendo discutidas. As obrigações trabalhistas aumentaram e a gente quer pagar todo mundo. As pessoas só precisam entender um pouco a situação que pegamos hoje. Estamos basicamente vendendo o almoço para pagar a janta”, disse.

Uma dívida do clube celeste já gerou um enorme prejuízo no âmbito esportivo. A Fifa determinou que o Cruzeiro começasse a Série B do Campeonato Brasileiro com menos seis pontos em razão do não pagamento no valor de 850 mil euros (R$ 5 milhões), referentes ao empréstimo do volante Denilson, do Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, em julho de 2016.

A Raposa ainda trabalha para quitar os valores devidos ao clube dos Emirados Árabes nos próximos meses. Matheus Rocha disse que o Cruzeiro está focado no pagamento da dívida para evitar o descenso à Série C.

A Fifa, nós já pagamos o Zorya (pelo atacante Willian) que era o primeiro pagamento importante. Estamos aí com a Operação Fifa, que são várias ações em conjunto. Hoje nós só temos o Al-Wahda, que é a dívida que não conseguimos pagar em meados de maio e que a ideia é que paguemos isso nos próximos meses. Essa é a única que dá uma punição mais severa que é a queda à Série C. Estamos com isso no radar e estamos trabalhando pesado para esse pagamento ao Al-Wahda”, completou.

No dia 23 de junho, o Cruzeiro informou ter recebido mais duas ordens de quitação: uma de US$ 2.286.840,00, pela compra de Rafael Sobis ao Tigres do México, e outra de 395.619 euros, relativa ao empréstimo de Pedro Rocha junto ao Spartak Moscou, da Rússia. Os valores correspondem a R$ 14,6 milhões em moeda nacional.

O prazo para a quitação da dívida celeste por Sobis é até 15 de julho. Já a data limite para saldar os valores de Pedro Rocha é 6 de agosto. Entretanto, segundo o clube, as penalidades são o impedimento de registro de atletas, até que as situações sejam resolvidas.