Destaques Geral

Distribuição de cestas básicas para famílias vulneráveis é feita em Piumhi e Capitólio

22 de abril de 2020

PIUMHI – Nesta sexta-feira, 17, foi anunciado o destino do recurso da merenda escolar para famílias que se encaixam em critérios de vulnerabilidade social em Piumhi. Uma atitude semelhante já teve bons resultados em Capitólio. De acordo com o prefeito de Piumhi Adeberto José de Melo, o Deco, cerca de mil famílias devem receber o kit de alimentação da Prefeitura Municipal.

Esta ação tem como intuito oferecer os alimentos que seriam ofertados aos alunos das escolas municipais. De acordo com Deco, a distribuição será feita a partir de critérios analisados pela Secretaria De Educação e da Secretaria de Assistência Social, logo não é feita “aleatoriamente”. Assim, o prefeito garante: “Se alguma pessoa não receber e achar que é de direito dela, nos comunique que nós vamos analisar caso a caso”.

Outro ponto importante para ele é que os produtos perecíveis estão sendo adquiridos da Agricultura Familiar, visto que é um período de grande dificuldade também para os pequenos agricultores. “O kit alimentação montado pela secretaria e equipe responsável vem sendo composto também por hortaliças, frutas e ovos que estão sendo adquiridos através do programa da Agricultura Familiar. Eu acho muito importante tocar neste ponto, até porque temos recomendação do Ministério da Educação de comprar no mínimo 40% da Agricultura Familiar. Então, nesse momento de dificuldade para todo mundo, nós estamos optando por adquirir toda hortaliça, hortifrúti e frutas da Agricultura Familiar”.

Capitólio

Na cidade de Capitólio, desde o início deste mês vem sendo feita uma distribuição semelhante. O Prefeito da cidade, José Eduardo Terra Vallory, determinou a entrega dos alimentos perecíveis e não perecíveis da Alimentação Escolar para estudantes regularmente matriculados e beneficiários do Programa Bolsa Família e/ou em situação de vulnerabilidade social. De acordo o secretário da Educação de Capitólio, João Antônio Alves, o projeto de hortas orgânicas “Cultivar e Preservar”, realizado nas escolas do campo tem sido aproveitado para agregar os kits de alimentos.

Além de agregar a essas cestas básicas, os alimentos colhidos nas hortas das escolas também foram doados para a Santa Casa de Capitólio, como aconteceu na Escola Nogueira de Sá, na comunidade de Macaúbas, com um novo destino dos alimentos do projeto. “Acontece que a escola Nogueira de Sá tem uma horta que estava quase no momento de ser utilizada para a merenda escolar e aconteceu este problema do coronavírus”, relatou o secretário João. Assim, a decisão foi de que os próprios funcionários da escola, que moram na comunidade, fizessem a colheita dos alimentos mais perecíveis.

“Para essa colheita, eu levei uma nutricionista para ver a qualidade dos produtos, a nossa nutricionista Érica”, afirmou João, “ela disse que o melhor caminho era este de levar para a Santa Casa. Então nós cedemos, estamos colhendo e levando para lá uma vez por semana”. De acordo com o secretário da educação, os produtos dessa qualidade não podem ser perdidos, principalmente em um momento que a Santa Casa necessita.

O eixo principal do Projeto “Cultivar e Preservar”, é a implantação de hortas nas escolas rurais de Capitólio. Com isso, é pretendido promover o plantio de espécies frutíferas alternada com espécies nativas, para recomposição da vegetação em áreas de Preservação Ambiental Permanente (APP) no entorno de cursos d’água. Assim, este projeto propõe implementar ações educativas para despertar nos alunos a responsabilidade do indivíduo com o meio onde vive. Dessa forma, modificam-se os hábitos alimentares com aumento do consumo de verduras e legumes das hortas, e com isso os alunos tem acesso a alimentos mais saudáveis, produzidos sem uso de agrotóxicos.