Destaques Lingua Portuguesa

Diferenças entre crônica, fábula, artigo e editorial

POR PROF. ANDERSON JACOB ROCHA

12 de dezembro de 2020

Há muitas pessoas que me procuram para falar da dificuldade de escrever. Por isso, me perguntam se tenho algum artigo que escrevi para a Folha Manhã que possa ajudar na questão da escrita. Aquilo que comumente chamam de artigo, na verdade, tecnicamente, possui outro nome. O que tento escrever aos sábados, aqui, neste espaço, nós chamamos de crônica. Achei que seria interessante trazer alguns conceitos de textos, na crônica de hoje. Espero que você se interesse pelo assunto para poder diferenciar algumas formas textuais de outras.

Vamos começar pelo conceito de “crônica”? Pois bem, a palavra grega “khrónos” é que deu origem ao termo “crônica”. Ela significa “tempo”. Qualquer documento histórico, no passado, era considerado uma crônica, pois neles continham, em ordem cronológica, relatos de acontecimentos. Hoje em dia, a crônica é tratada como um tipo de narrativa que alia informação e literatura onde o autor tece sobre considerações imaginárias ou reais, que obedecem a fatos que aconteceram na vida dele ou na de outras pessoas.

Se você já me segue aqui, sabe que, geralmente, eu conto uma história para falar de um aspecto da linguagem. Nessa história sempre há um personagem. Além disso, o conceito de crônica traz, também, o uso de uma linguagem despojada e até irônica das situações narradas. Ou seja, muitas vezes, parece que eu estou conversando contigo, não é? Para falar a verdade, eu me divirto. Ainda bem que não vivemos em uma ditadura porque eu já estaria preso faz tempo, por conta de algumas provocações que já fiz (risos e mais risos). Ah! A crônica, usualmente, é veiculada em jornais, ok?

Se a crônica, muitas vezes, possui histórias e personagens, cabe falarmos sobre fábulas. O que é? A fábula é uma narrativa curta. Nela, há a característica do folclórico, da imaginação. Os seus personagens sempre são inanimados, isto é, na fábula, os animais e/ou objetos possuem falas, pensamentos, cantam, enfim, possuem características humanas. Ela possui o caráter de lendas que sempre vêm com uma tônica moral no final.

Bem, o que é um artigo jornalístico, então? Como já disse, nessa coluna, trafega uma crônica, não um artigo. Por que? Porque um artigo jornalístico, como o nome já diz, circula em jornal e revista, tendo como formato, as reportagens noticiárias. Nesse tipo de texto, há uma exposição, a linguagem precisa seguir um padrão mais imparcial. Estou dizendo “mais imparcial”, pois não existe imparcialidade total em um texto. Mas, isso é assunto para outra crônica. Ele trata dos fatos de forma geral e deve ser escrito em terceira pessoa para dar o ar de impessoalidade.

No entanto, temos um tipo de artigo jornalístico que possui um caráter argumentativo onde há um manifesto do autor, de modo menos explícito, que se mistura com a afirmação e/ou informações. Por exemplo, o professor Esdras Azarias de Campos constrói esse tipo de texto, na Folha da Manhã. E sempre nos deliciamos com a sua sabedoria. Grande abraço, amigo e professor Esdras. Obrigado!!! O editorial é o texto que traz a opinião do jornal. Não há assinatura e possui um tom impessoal, por isso. Ele pode ser classificado como dissertativo porque tem caráter opinativo. Pronto. Um abraço.

PROF. ANDERSON JACOB ROCHA. Doutor em Língua Portuguesa (PUC/SP). Instagram: @prof_andersonjacob. Youtube: Prof. Dr. Anderson Jacob. Autor do livro: A Linguagem da Felicidade