Destaques Política

Diego e secretário confirmam R$85 mi em caixa, mas R$23 mi livres para investir

Por Adriana Dias / Redação

9 de janeiro de 2021

O secretário de fazenda, juliano beluomini, e o prefeito de passos, Diego Oliveira. / Foto: Divulgação

PASSOS – O prefeito de Passos, Diego Oliveira, concedeu entrevista coletiva no final da tarde desta sexta-feira, 8, com a presença do secretário municipal de Fazenda, o contador Juliano Beluomini, confirmando os R$85 milhões deixados em conta pelo ex-prefeito Carlos Renato Lima Reis, o Renatinho Ourives e salientando à população que o valor não deixa a atual administração em situação confortável, mas que não está no vermelho.

O intuito é mostrar para população como pegamos a prefeitura e o que estaremos fazendo nos próximos anos. A administração pública precisa ter esse princípio de cumprimento das suas obrigações. As pessoas precisam entender que alguns aspectos são relevantes, tomamos posse dia 1º, começamos dia 4, e tivemos que correr atrás e checar informação. Contamos com a celeridade da atual equipe e das instituições bancárias, que foi em tempo recorde. Sobre os R$85 milhões deixados, não é um desenho da forma como quiseram deixar parecer. Lembrando que esse dinheiro não é nosso, é do povo e temos compromisso e temos que dar transparência”, concluiu o prefeito.

O serviço público tem que atender quem precisa. Estamos aqui para servir, atender e esclarecer à população da melhor forma possível”, ressaltou o secretário.

Conforme disse Beluomini, quando na posse o ex-prefeito Renatinho Ourives falou dos R$85 milhões em caixa, os telefones dos secretários e do próprio prefeito não pararam de tocar. O secretário disse que tem recursos, mas com vários problemas como processos judiciais, situações administrativas que devem ser resolvidas e restos a pagar de anos anteriores.

Já temos 70% das contas apuradas. Não são então, R$85 milhões livres. Vamos entender este R$85.131.407,67. Destes, R$46 milhões são recursos vinculados – que só podem ser gastos com o que é contratado, exemplo covid, dengue, serviço essencial do município. Deste valor, tem R$15 milhões que estão em restos a pagar. Sobram R$31 milhões, que, assim que os fornecedores oferecerem o serviço, o dinheiro já tem que estar lá para o pagamento.

Sobrou então, R$38 milhões que é o recurso livre, que é dinheiro disponível para a gestão cumprir com os serviços e obrigações que tem para fazer. De restos a pagar de 2020 tem R$15 milhões, que temos que pagar, pois estão empenhados, como energia, remédio. O que sobram? Sobram R$23 milhões – este é o valor que realmente está no caixa para a atual administração trabalhar”, afirmou o secretário.