Destaques Geral

Dengue avança 250% em duas semanas na região

29 de abril de 2020

PASSOS — O último boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), divulgado nesta segunda-feira, 27, registrou 544 casos prováveis de dengue (confirmados + suspeitos) na região. Em comparação ao estudo divulgado há 14 dias, quando foram computadas 155 possibilidades, o aumento é de 250,96%.

Apesar da alta em ritmo acelerado, o total de notificações está menor em relação aos números registrados no mesmo período do ano passado, quando, em 29 de abril de 2019, foram 903 notificações.
Nos 24 municípios da região, Cássia segue liderando o total de notificações para casos prováveis de dengue em 2020. Segundo a SES, foram 159 registros no último estudo, o que indica um crescimento de 261,36% em apenas duas semanas. No comparativo a 2019, a alta foi de 835,29%, indicando uma diferença de 142 notificações.

Passos, território que apresentava 490 casos prováveis de dengue na última semana de abril de 2019, desta vez, registrou 101 possibilidades. Com 389 registros a menos, a queda foi de 79,38% em 12 meses. Mesmo com os números em queda em relação a comparação do ano passado, neste mês, em um período de 14 dias, houve uma alta de 236,66%, passando de 30 suspeitas e confirmações, para 101 nas últimas semanas.

No caso de São Sebastião de Paraíso, o aumento de notificações entre os boletins dos dias 14 e 27 de abril de 2020 foi de 190,47%, passando de 21 suspeições e comprovações para 61. Já em relação entre os resultados desta semana e do mesmo período do ano passado, a diminuição foi de 52,71%, com 68 casos a menos.

Em Piumhi, a crescente foi de 231,57% em 14 dias, neste caso, o total de notificações passou de 19 para 63. Do mesmo modo, a alta é vista na relação ao ano passado, período em que o estudo apontou apenas 30 notificações.

Delfinópolis, Guapé, Itaú de Minas, Monte Santo de Minas e São Tomás de Aquino também estão entre os municípios que, apesar do aumento em relação aos resultados divulgados nas últimas semanas, estão com índices menores em comparação ao ano passado.