Destaques Dia a Dia

Da Boca do Povo

Por SEBASTIÃO WENCESLAU BORGES

16 de setembro de 2020

São muitas as expressões populares que fizeram ou fazem parte do dia a dia, e que se tornaram marca registrada de muitas pessoas bem humoradas que sabem falar de uma forma bem clara, facilitando a comunicação. E assim nesse texto agrupei algumas expressões que às vezes já até falamos ou ouvimos de alguém: Enganei um bobo, na casca do ovo- tudo que é bom, dura pouco- comigo não, violão- meia dúzia de gatos pingados- me pegou de calças curtas- é sopa de mel- é mamão com açúcar- nem que a vaca tussa- entrei pelo cano- essa não colou- ninguém é de ferro- é o mesmo que ir em Roma e não ver o Papa- olho por olho, dente por dente- deu no que deu- o diabo não é tão feio quanto pintam- quem conta um conto aumenta um ponto- boca fechada não entra mosquito- quem cochicha, rabo espicha- é mais fácil achar uma agulha no palheiro- tem culpa no cartório- tomou uma coça- sujeito bicharedo- nem pé nem cabeça- um dia é da caça, outro do caçador- um olho no peixe outro no gato- o jogo é jogado e lambari é pescado- gato escaldado tem medo de água fria- o olho do patrão que engorda o porco- comigo ninguém tira farinha- inteligente pra burro- é de esmagar o coração- dar uma esticada- perdeu as estribeiras- entrou pelo cano- a coisa tá russa.

Outras expressões faladas até mesmo nos dias atuais: dormir com as galinhas- estômago de avestruz- lágrimas de crocodilo- abraço de tamanduá- osso duro de roer- dá nó em pingo d/água- mentira tem perna curta- o feitiço virou contra o feiticeiro- quem com o ferro fere com o ferro será ferido- deu com os burros n/água- colocou o carro na frente dos bois- ficou chupando os dedos- cada macaco no seu galho- Deus escreve certo por linhas tortas- quando um burro fala o outro murcha a orelha- a vida é dura pra quem é mole- saiu com o rabo entre as pernas- casa de ferreiro espeto de pau- de boas intenções o inferno tá cheio- galinha velha é que dá bom caldo- santo do pau oco- pequei com a boca na botija- pagou com a mesma moeda- comprou gato por lebre- devagar com o andor que o santo é de barro- meteu os pés pelas mãos- não tem onde cair morto- tapar o sol com peneira- chora de barriga cheia. Agora algumas expressões nossas, da “mineirada”, pronunciadas para encurtar o assunto, algumas eram bem entendidas, outras nem tanto: bão dimais da conta- assunga as calças- o café ta pelano- cê besta só- cê já coisou o trem- cê mexe com quê- cê ta uma marmota- cê contar ocê senta e chora- cumequié- cumequivai- dimais da conta- disgramô tudo- é de encher os zoio- espia só procêvê- só um cadim- to com vontade de comer um trem bão hoje só- pingano de sono- vou picar a mula- casca fora- cadiquê- fiote de cruscredo- perai só um tiquinho- o trem ta feio- que trem é esse só- e a mais falada entre nós mineiros: “uai só”!

Outras expressões que já falamos ou ouvimos: mentira tem perna curta- da igual chuchu na cerca- esmola demais o santo desconfia- a cobra vai fumar- pessoa xereta- quem chega primeiro bebe água limpa- do jeito que o diabo gosta- quem ri por último ri melhor- casa de ferreiro espeto de pau- ta com a faca e o queijo na mão- antes só que mal acompanhado- o amor é cego- dois bicudos não se beijam- em briga de marido e mulher, ninguém põe a colher- fazer uma vaquinha- tudo termina em pizza- matando cachorro a grito- o sol brilha para todos- amigo da onça- boca fechada não entra mosquito- apressado come cru- paredes têm ouvido- custando o olho da cara- salvo pelo gongo- ponho minha mão no fogo- nada melhor do que um dia após outro- parece que comeu canela de cachorro- são favas contadas- ele ta um caco- cala a boca já morreu quem manda na minha boca sou eu- tapar o sol com peneira- quem vê cara não vê coração- chorar de barriga cheia- cutucar a onça com vara curta- faça o bem sem olhar a quem…
Enfim, uma expressão popular, pelo que se vê, não tem autor, é criada no linguajar do povo, vira moda de falar em determinado local, se espalha, e torna- se de domínio público, e se eterniza na boca do povo!
É o tempo passando e a gente “Memoriando”!